Comédia de Woody Allen é bem recebida em Cannes

O novo filme fala de homens,mulheres e amantes múltiplos, mas na vida real o diretor WoodyAllen, 72, diz que ter mais de um parceiro sexual é demais hojeem dia. "Já é difícil conseguir uma pessoa só", disse ele ajornalistas em uma entrevista no sábado, no Festival de Cannes,onde ele lançou "Vicky Cristina Barcelona". "Estou tentando encontrar soluções na vida, e dois tendem acomplicar mais do que um", disse. "Em um filme, você pode fazer isso porque está lidando compersonagens maiores... Mas, na vida real, a maioria de nósjamais conseguiria lidar com algo assim", acrescentou. "Vicky Cristina Barcelona", que trata de váriosrelacionamentos, inclusive um ménage à trois, teve recepçãocalorosa em Cannes, uma das poucas comédias no festival. Amaioria dos filmes, como o drama "Hunger" e "Waltz withBashir", sobre a guerra no Líbano, exploram as condiçõeshumanas mais sombrias. O jornal Daily Variety descreveu "Vicky Cristina" como"entretenimento sexy e divertido que passa de forma tão gostosaquanto uma tarde de sol na cidade espanhola do título" eacrescentou que o filme "é muitos graus mais quente do que(Woody) costuma ser". O diretor disse que definitivamente queria que o filmefosse engraçado, mas também o considera uma espécie de contotrágico sobre pessoas que não conseguem se apaixonar, outrasque se apaixonam talvez muito profundamente e outras que secasam por todas as razões erradas. JOVEM E APAIXONADO A história central do filme é sobre duas turistasnorte-americanos que vão a Barcelona para passar o verão. Vicky (Rebecca Hall) quer estudar um pouco da culturaespanhola antes de se casar, e Cristina (Scarlett Johansson)busca constantemente se sentir realizada. As duas se apaixonam, mas têm dificuldades. Cristina tem delidar com a ex-mulher de Juan Antonio (Javier Bardem), MariaHelena (Penélope Cruz), que é pintora. "Queria que as pessoas vissem o romance, mas também queriaalgumas risadas", disse Allen. "Queria ver duas mulheres que vão a Barcelona... E aí ascoisas começam a se desintegrar.".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.