Divulgação
Divulgação

Comédia de terror lidera bilheterias americanas

Longa dirigido por Tyler Perry faturou US$ 16,7 milhões

EFE

02 de novembro de 2016 | 09h17

No seu fim de semana de estreia, Inferno teve que se contentar com o segundo lugar nas bilheterias americanas, porque pela segunda semana seguida a comédia Boo! A Madea Halloween, de Tyler Perry, lidera a lista de filmes mais vistos.

Conforme estimativas do portal especializado Box Office Mojo, Boo! A Madea Halloween (ainda sem data para estrear no Brasil) faturou US$ 16,7 milhões nos cinemas americanos. Já "Inferno" (lançado em outubro nas telas brasileiras), protagonizado por Tom Hanks, ficou com US$ 15 milhões.

Tyler aposta desta vez na comédia de terror colocando à heroína da saga em plena noite de Halloween combatendo assassinos, fantasmas e zumbis. Ele vive a personagem principal e o elenco tem ainda Cassi Davis, Patrice Lovely e Yousef Erakat.

Já "Inferno", inspirado no livro de Dan Brown, o professor Robert Langdon (Tom Hanks) desperta com amnésia em um hospital italiano e uma jovem (Felicity Jones) o ajuda a recuperar as lembranças e a desarticular uma perigosa conspiração global.

A medalha de bronze foi para "Jack Reacher: Sem Retorno" (previsto para ser lançado em 24 de novembro no Brasil), que no fim de semana somou quase US$ 9,6 milhões. O longa conta como o ex-militar, interpretado por Tom Cruise, tenta descobrir a verdade por trás de uma operação do governo para, assim, limpar sua reputação.

O suspense O Contador (já lançado no Brasil), com Ben Affleck, obteve US$ 8,5 milhões. O filme conta a história de Christian Wolff, um homem autista com uma mente prodigiosa para a matemática que trabalha como contador para algumas das organizações criminosas mais perigosas do mundo.

Por último, o filme de terror Ouija: Origem do Mal arrecadou US$ 7,1 milhões. Na produção de Mike Flanagan, uma viúva e suas duas filhas começam um negócio espiritual, mas invocam sem querer espíritos malignos que tomam o controle do corpo da caçula da família.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.