Comédia de espionagem dos irmãos Coen divide críticos em Veneza

O filme mais recente dos irmãos Joel eEthan Coen, a comédia maluca "Queime Depois de Ler", dividiu acrítica, diferentemente do que aconteceu no ano passado com oaclamado "Onde os Fracos Não Têm Vez", que acabou recebendoquatro Oscar, incluindo o de melhor filme. O novo longa fez sua estréia mundial no festival de cinemade Veneza na quarta-feira, fato que levou George Clooney e BradPitt ao tapete vermelho, sob os olhares de centenas de fãs aosgritos. As primeiras resenhas do filme ansiosamente aguardadojá começaram a sair. O jornal especializado Variety não apreciou a paródia defilme de espionagem. "Nada na execução do projeto indica qualquer intenção deque fosse mais que uma brincadeira -- o que seria ótimo, sefosse uma brincadeira divertida", escreveu Todd McCarthy. "Maso público começa a ranger os dentes desde o início e não páramais." Muitos dos comentários positivos que o crítico fez a"Queime Depois de Ler" foram reservados para Brad Pitt, em seuprimeiro trabalho para os irmãos Coen. Como vários outros críticos, McCarthy elogiou a atuação dePitt como instrutor de academia ingênuo e hiperativo que tentaextorquir dinheiro de um analista demitido da CIA cujaautobiografia ele encontra por acaso em um CD perdido. "Brad Pitt exagera tremendamente no retrato cômico, mas, aofazê-lo, cria um personagem simpático ao extremo", disseMcCarthy. No outro extremo do espectro, Lee Marshall, da revistaScreen International, considerou o filme "um misto lindamenteproduzido de história de espionagem, sátira do espírito dostempos americanos e drama de relacionamentos". "'Queime Depois de Ler' é uma comédia urbana inteligentesobre os perigos da idiotice, que usa seu elenco estelar comefeito deslumbrante e frequentemente hilário." Wendy Ide, do Times de Londres, conferiu ao filme quatroestrelas (de um total de cinco) e apontou as melhoresperformances como sendo de Brad Pitt e John Malkovich. Malkovich faz o agressivo e beberrão analista da CIA,enquanto Clooney, em seu terceiro trabalho para os irmãos Coen,faz um policial federal obcecado por malhar e que trai suamulher. A principal reserva de Wendy Ide é que o elenco depersonagens não desperta muita empatia no público. "Seria melhor se pudéssemos não apenas rir dos personagens,mas também gostar deles", ela conclui. Kirk Honeycutt, do The Hollywood Reporter, em resenha queinclui críticas e elogios, descreveu "Queime Depois de Ler"como "uma tolice menor com todos os acompanhamentos de um filmede estúdio de grandes dimensões". Na conclusão de sua resenha, ele cita uma frase de umfuncionário da CIA no filme que acaba de ser informado dosacontecimentos misteriosos que cercam a autobiografia perdida. "Fale comigo de novo quando tudo isso começar a fazersentido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.