Ben Rothstein/101 Studios
Ben Rothstein/101 Studios

Comédia com Robert De Niro, 'Em Guerra com o Vovô' supera 'Tenet' nas bilheterias dos EUA

Porém, como lembrado pela 'Forbes', o número marca o pior primeiro lugar em bilheteria desde 1998; veja o trailer original

Brent Lang, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2020 | 10h33

Em Guerra com o Vovô, comédia com Robert De Niro sobre uma batalha entre um septuagenário e seu neto por causa de um quarto, deveria ter chegado aos cinemas em 2018. 

Mas os planos mudaram depois que Harvey Weinstein, o produtor indie cuja companhia The Weinstein Company financiou o sucesso Esqueceram de Mim, foi exposto como um predador sexual. O escândalo levou à dissolução da empresa e levou Em Guerra com o Vovô e outras produções do estúdio a uma espécie de limbo.

Após dois anos de espera, Em Guerra com o Vovô (The War With Grandpa) finalmente foi lançado, mas em um mercado bastante diferente que enfrenta uma crise de sobrevivência gerada pela pandemia de coronavírus. O filme levantou 3,6 milhões de dólares em bilheteria de 2.205 salas de exibição, apesar de receber críticas que o descreveram como sem graça. Baseado no livro de Robert Kimmel Smith, longa é dirigido por Tim Hill e tem ainda no elenco Uma Thurman, Oakes Fegley, Rob Riggle e Laura Marano. 

Em tempos de pandemia, em que grandes mercados como Nova York e Los Angeles estão fechados, a bilheteria de Em Guerra com o Vovô pode ser considerada como uma boa estreia. Porém, como lembrado pela Forbes, o número marca o pior primeiro lugar em bilheteria desde 1998.

Em Guerra com o Vovô também tirou do primeiro lugar o suspense de ficção científica Tenet, de Christopher Nolan. Na sexta semana de exibição desde o lançamento, Tenet arrecadou 2,1 milhões de dólares em bilheteria nos Estados Unidos, elevanto o total desde o lançamento para 48,3 milhões. No mundo, nesta semana, o filme levantou 9,8 milhões de dólares, elevando o total da produção para 323,3 milhões.

Este fim de semana pintou um quadro terrível para a indústria do cinema. Vai ser preciso muito mais do que isso para manter o interesse do público em ir aos cinemas em meio ao receio gerado pela covid-19. Por conta disso, Mulher Maravilha 1984 não pode chegar logo.

 

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaRobert de NiroChristopher Nolan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.