Começa hoje a repescagem da Mostra de Cinema

A repescagem da 28.ª Mostra BR de Cinema, que oferece ao público mais uma chance de ver filmes importantes do evento encerrado oficialmente ontem à noite, começa hoje. Desta vez, a repescagem vai exibir dois inéditos que não chegaram a tempo de integrar a programação. Um deles é Sarabanda, de Ingmar Bergman, que quebra seu juramento de nunca mais filmar e propõe uma seqüência para Cenas de Um Casamento. O outro é o coreano Tae Guk Ki, de Je-gyu Kang, cujo título em inglês é Brotherhood (Irmandade). Iniciada dia 22 de outubro para o público, a Mostra exibiu 330 títulos, entre curtas e longas, em 19 pontos da cidade. A partir de hoje e até a próxima quinta-feira, serão 30 filmes em apenas dois pontos (CineSesc e Cinearte). A repescagem recoloca em cartaz o melhor filme para os críticos - Mal dos Trópicos, do tailandês Apichatpong Weerasekathul. Outro bom filme da Mostra deste ano, o coreano Casa Vazia, de Kim Ki-duk, também integra a programação extra. Entre as atrações, estão dois filmes que discutem a permanência do espírito revolucionário de Maio de 68 - pode-se fazer um arco muito interessante que vai de Os Sonhadores, de Bernardo Bertolucci, a Os Educadores, de Hans Weingartner. Ambos deverão estrear nos cinemas até o fim de 2004. A tentativa de interpretação da América bushiana por Wim Wenders dividiu os críticos, mas Terra da Fartura é um dos títulos importantes da repescagem. Volta Má Educação, mas você não precisa correr para o novo Pedro Almodóvar, que estréia ainda este mês. A Vida É Um Milagre, o novo Emir Kusturica, também está na lista. Fãs de cinema de espada devem fazer de joelhos o caminho que leva aos filmes de Zhang Yimou e Takeshi Kitano, Hero e Zatoichi.Há bons filmes latinos na programação extra - o uruguaio Whisky, de Juan Pablo Rebella e Pablo Stoll; os argentinos La Niña Santa, de Lucrecia Martel, e Familia Rodante, de Pablo Trapero; o chileno Machuca, de Andrés Wood. O documentário brasileiro Estamira, de Marcos Prado, precisa perder meia hora para ficar mais forte. E os mestres Abbas Kiarostami e Manoel de Oliveira devem estar na mira dos cinéfilos, pelos exigentes Cinco e O Quinto Império.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.