Começa hoje a maior mostra de curtas do Brasil

O curta-metragem é um gênero cinematográfico que vem ganhando cada vez mais espaço no ambiente cultural brasileiro. Após várias mostras do gênero ocorridas no último ano, incluindo o Curta às Seis do Espaço Unibanco, e a recente Anima Mundi, acontece entre os dias 17 e 26 de agosto a 11ª edição do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo.Apesar do título, a mostra desse ano contará com extensões no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, tornando-se a maior da história do festival, que é organizado pela Associação Cultural Kinoforum, a mesma do Festival Internacional de Documentários - É Tudo Verdade. Ao todo serão 401 filmes, de 47 países, divididos em seis grupos temáticos.Sem dúvida, um dos momentos mais esperados desse festival é a exibição de um curta-metragem inédito de Jean Luc-Godard. Da Origem do Século 21 é o mais recente trabalho do diretor de Alphaville e Nouvelle Vague e fez parte da sessão inaugural do Festival de Cannes deste ano. Nele, Godard faz um passeio pelo século 20 por meio da colagem de imagens jornalísticas, cenas de filmes e citações de grandes pensadores. Além da inovação do formato - um sinal do novo status que vem ganhando o curta-metragem -, um elemento inusitado à produção de Godard compõe esse filme: o uso de tecnologia digital.Aliás, esse é um dos principais chamarizes do festival de curtas deste ano. Uma competição e uma mostra de filmes realizados no formato digital estão sendo anunciados com grande destaque, como forma de difundir e ampliar o diálogo sobre essa nova linguagem cinematográfica, que tem como principais vantagens o baixo custo de produção e a possibilidade de exibição via Internet.Como já acontece há dez anos, uma sessão exclusiva de filmes brasileiros está incluída na programação. Entre as 113 produções participantes, destacam-se as premiadas nos festivais de Gramado e Brasília - Passadouro, de Torquato Joel, Outros, de Gustavo Spolidoro e Tepê, de José Eduardo Belmonte -, além dos 62 filmes estreantes, que concorrem ao Prêmio Revelação. A produção nacional ainda poderá ser avaliada na retrospectiva Curtas Viajantes - que inclui filmes de grandes diretores brasileiros, como Glauber Rocha, Humberto Mauro, Sérgio Bianchi, entre outros - e na mostra O Cinema dos Brasileiros, que traz 114 curtas e documentários realizados por intermédio do Ministério da Cultura.Para finalizar o panorama brasileiro, haverá uma sessão do festival dedicada ao Dogma Feijoada, que é um manifesto de afirmação do cinema negro. Ele determina que um filme deve ser dirigido e protagonizado por um profissional negro, tendo temática relacionada à cultura negra, evitando heróis ou bandidos e excluindo estereótipos.Quanto à Mostra Internacional, a programação inclui, entre outros, filmes premiados nos festivais de Berlim, Locarno, Cannes e Sundance, tendo como grande destaque a produção George Lucas Apaixonado, que é uma ficção sobre as origens da série Guerra nas Estrelas que já virou um cult do circuito internacional.Haverá também uma sessão exclusiva para as produções latino-americanas. Destacam-se aí o mexicano El Milagro, o venezuelano Accuérdate del Diccionario e o boliviano Sueño en el Cuarto Rojo.Como é de praxe, este ano também haverá um homenageado, que é o diretor de animação Nick Park. Criador dos célebres personagens Wallace & Gromit e vencedor de três Oscar de Melhor Animação por A Opinião dos Animais, O Fio da Navalha e As Calças Erradas, Park é responsável por Chicken Run, atual sucesso da DreamWorks, o estúdio de Steven Spielberg, que deve vir em dezembro ao Brasil com o nome .Galinhas em FugaFinalmente, encerrando a variedade da programação deste ano, está a mostra Mix Brasil, que traz uma seleção especial de curtas do Festival da Diversidade Sexual. Apesar de contar com uma seleção de 27 filmes, existe apenas uma produção brasileira nesta seção, que é o filme carioca Dama da Noite, de Mario Diamante.Com um leque de opções tão abrangente e o incentivo da entrada franca, o Festival Internacional de Curta Metragens de São Paulo se torna no mínimo um programa imperdível.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.