Começa filmagem da vida de Garrincha

Convidado a ocupar um lugar dehonra no desfile da Mangueira que homenagearia os grandes nomesdo passado, Mané Garrincha pretendia cruzar a pé a passarela daMarquês de Sapucaí para retribuir a ovação que certamente viriadas arquibancadas. O físico, porém, traiu sua confiança: comdores no joelho, abalado pela bebida, que não conseguiaabandonar, e sentindo os efeitos colaterais dos vários remédiosque tomava para a cirrose e que o deixavam anestesiado, o gêniodas pernas tortas não suportou o próprio peso e desfilou sentado, lançando um olhar perdido para os que o aplaudiam e, incrédulos, acompanhavam, ao vivo, sua tragédia. A cena melancólica, que marcou o carnaval carioca de1980, vai abrir o filme Garrincha: A Estrela Solitária, quecomeça a ser rodado nesta terça-feira na cidade de Pau Grande, no Estado do Rio, onde o craque nasceu em 1933, pelo diretor Milton Alencar. Seráum tributo a um dos maiores jogadores do futebol brasileiro etem como fonte de inspiração o livro Estrela Solitária - UmBrasileiro Chamado Garrincha (Companhia das Letras), que RuyCastro lançou em 1995. "Pretendo não apenas mostrar suasjogadas inesquecíveis, mas também os problemas que marcaram suavida, desde as infiltrações no joelho e o vício da bebida, assimcomo os vários amores", conta Alencar, que vai dividir a funçãocom Isa Castro. Manuel dos Santos (o nome do meio, Francisco, não constaem nenhum documento oficial) tornou-se Garrincha ainda criança,por se assemelhar a um pequeno pássaro do mesmo nome, marrom,com o dorso listrado de preto, comedor de insetos minúsculos earanhas. As pernas tortas, em vez de prejudicar, tornaram-secriadoras de jogadas geniais, que o consagraram nas copas daSuécia (1958) e Chile (62), justamente as duas primeirasvencidas pelo Brasil. Para recriar uma figura tão antológica e única ao mesmotempo, Milton Alencar pensou em diversos atores (como MarcosPalmeira) até se decidir por André Gonçalves, que se notabilizoucomo participante da segunda Casa dos Artistas, do SBT."Percebi que ele tem o mesmo espírito ingênuo que marcava oGarrincha", explica o diretor. "Além de também ter seenvolvido com muitas mulheres." Votos - Para o papel da cantora Elza Soares, uma dascompanheiras do jogador, foi escolhida a atriz Taís Araújo, quevai representá-la quando jovem, justamente no ano de 1961,quando eles se conheceram: Garrincha pediu para que o ajudasse aconseguir votos para o concurso "O Jogador mais Popular doBrasil". Taís, que nasceu no ano anterior ao do triste desfileda Mangueira, marcou encontros com a cantora, a fim de receberconselhos e reconhecer seus principais trejeitos. Milton Alencar pretende ser fiel à história contada porRuy Castro, buscando reproduzir todos os principais detalhes.Prudente, só vai evitar a reencenação dos famosos dribles deGarrincha. A jogada era genial - Mané parava a bola à frente domarcador (ao qual tratava indistintamente por "João") eprojetava o corpo para o lado, a fim de induzir o adversário afazer o mesmo. Mais rápido, voltava ao ponto original earrancava pela direita. Em seu livro, Ruy Castro conta queGarrincha não se importava em vencer partidas ou conquistarcampeonatos: seu prazer estava unicamente em driblar emaravilhar torcidas. "André Gonçalves até tem muita habilidade com a bola,mas seria arriscado fazê-lo reproduzir os passos do Mané",comenta Alencar que, para isso, pretende utilizar cenas dodocumentário Garrincha, Alegria do Povo, que Joaquim Pedrode Andrade rodou em 1962. A confirmação, porém, depende ainda daliberação da imagem pelo produtor Luiz Carlos Barreto. Um detalhe curioso do documentário de Joaquim Pedro, queAlencar pretende ressaltar, é uma entrevista com um ortopedista,que, analisando as radiografias das pernas de Garrincha, afirmacategoricamente que a prática do futebol jamais seriarecomendada a alguém com tal desvio. O grande trunfo, porém, está em cenas em película nuncavistas no Brasil da Copa do Mundo de 1962, que serão conseguidasa partir dos arquivos de emissoras de tevê chilenas e mexicanas.O garimpo está sendo feito por produtores do Chile, que seassociaram a Alencar e Isa Castro na produção. "Ainda não vimosas imagens, mas estamos certos de que nunca foram vistas poraqui", conta Isa, que está cuidando da fase chilena daprodução. Em setembro, entre os dias 10 e 20, a equipe vai setransferir para a capital, Santiago, onde o Brasil conquistou oMundial de 62 no dia 17 de junho, ao derrotar a Checoslováquia(3 a 1). Esperançosos de ver um show de Pelé, os chilenos sesurpreenderam com os dribles mágicos do Mané. "Até hoje, elesdizem que aquela foi a Copa do Garrincha", comenta Isa que, nomês passado, esteve no Chile, pesquisando locações também emViña del Mar, onde a seleção disputou as partidas iniciais. Amante - Isa foi acompanhada dos atores principais, queforam oficialmente apresentados aos produtores (Azul Produciones, David Mathie e Carosur Produciones). Para marcar a co-produçãointernacional, a atriz chilena Tatiana Merino vai interpretar opapel de amante do jogador. Para levar a vida conturbada de Garrincha às telas, osprodutores tomaram uma medida preventiva: negociaram os direitoscom as 11 filhas do jogador, evitando assim o problema jurídicoenfrentado pelo livro de Ruy Castro, contestado por elas porcausa de passagens sobre o alcoolismo de Garrincha, além daexigência de participar nos lucros das vendas. "Elas foramcontratadas pela produção como consultoras, recebendo um saláriopara isso", conta Alencar. "Foi ótimo, pois pudemos checardatas e histórias." Além das informações fornecidas pelas herdeiras, oroteiro contou ainda com a colaboração de Rodrigo Campos, AldirBlanc e João Máximo. A produção vai contar com aproximadamente40 atores e, além dos papéis de Garrincha e Elza Soares, outrosnomes importantes serão representados, como os laterais NíltonSantos e Didi e o jornalista Sandro Moreyra, que conviveramintimamente com o jogador. A produção prevê ainda quatro dias de filmagem na Suécia, onde Garrincha não só ajudou na conquista do título de 58 comogerou um filho ilegítimo, Ulf. "Dependemos ainda de conseguir ototal do orçamento", comenta Isa Castro. Segundo ela, aprodução está orçada em R$ 4,265 milhões e já foram captados R$1,35 milhão. "Caso contrário, vamos rodar as cenas em umestúdio em São Paulo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.