Começa em Cuba 7.º Festival Internacional de Cinema Pobre

Um total de 112 projetos de 20 países disputam o prêmio, realizados com baixo orçamento e roteiros inéditos

EFE,

14 de abril de 2009 | 15h26

O 7.º Festival Internacional de Cinema Pobre começou nesta terça, 14, em Gibara, uma cidade do leste de Cuba na qual até sexta-feira se apresentarão 112 projetos, com roteiros inéditos, maquetes, obras experimentais e outros materiais de 20 países, entre eles o Brasil.

 

Diretores, roteiristas, atores, produtores e técnicos de Chile, México, Espanha, Bolívia, Equador, Venezuela, Colômbia, Uruguai, Costa Rica, Estados Unidos e Cuba, entre outros, assistiram à inauguração, que incluiu a exibição de Un Día de Noviembre, do cubano Humberto Solas.

 

O festival, criado para promover produções de baixo orçamento, mas com qualidade, foi fundado por esse cineasta, morto em 2008.

 

Serão entregues prêmios de ajuda à produção, à promoção e à distribuição, o mais importante deles destinado à melhor maquete de longa-metragem de ficção, dotado com US$ 20 mil.

 

Também serão premiados o melhor longa-metragem de ficção com 5 mil pesos conversíveis cubanos (US$ 5.400) e o melhor curta-metragem hispano-americano de ficção, com US$ 4.600.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.