Começa 1.ª Mostra Paulista de Cinema Nordestino em SP

São Paulo é a maior capital nordestina do Brasil. A máxima já virou bordão. Os números não são certos, mas, só no bairro de São Miguel, zona leste, estima-se que haja um milhão de nordestinos que vieram fazer a vida na capital paulista. Se a concentração de nordestinos é grande, a de atrações culturais nos bairros que os abrigam é pequena.Pensando em diminuir esta lacuna, Gregório Bacic, diretor do programa Provocações, da TV Cultura, criou a 1.ª Mostra Paulista de Cinema Nordestino, que começa nesta sexta-feira para o público com a exibição de longas e curtas-metragens nordestinos em Taboão da Serra.Seria mais uma sessão comum não fosse o local em que os filmes serão projetados: uma rede de dormir. "É a performance do cineasta pernambucano Hermano Figueiredo, que fundou o Movimento dos Sem Tela. Ele exibe os filmes em superfícies como barriga de vaca, vela de barco, paredes", explica Bacic, que idealizou a mostra quando fazia parte da Secretaria de Cultura de Taboão da Serra. "Taboão concentra muitos migrantes em sua imensa periferia. São exatamente estes bairros que mais precisam de cultura. Então, pensei numa forma de colocar o nordestino em contato com a cultura de seus Estados de origem, sem que sejam filmes regionalistas ou folclóricos, explica ele, que também leva a Mostra Diadema a Guaianases. O Espaço Cultural Território do Brasil, Pinheiros, também integra a mostra.Bacic não descende de nordestinos, mas se identifica com a saga desses desbravadores urbanos. "Sou descendente de eslavos, que, como tantos, também deixaram suas terras e viveram a luta que hoje os nordestinos vivem."Bacic conta que os únicos Estados que não participam são Piauí e Sergipe. "Destaco Pernambuco, que conta com filmes como Amarelo Manga e Baile Perfumado", comenta ele, que também trouxe o clássico Aitaré da Praia, de Gentil Roiz e Ary Severo, de 1925, um dos maiores representantes do Ciclo do Recife. 1.ª Mostra Paulista de Cinema Nordestino. Centro Cultural de Diadema. R. Graciosa, 300, Pça. da Moça, Diadema; CEU Jambeiro. Av. José Pinheiro Borges, 60, Guaianases; EMEF Professor Francisco Ferreira Paes. R. José Pedro Nogueira Filho, 210, Pirajussara, Taboão da Serra; Espaço Cultural Território Brasil. R. Mateus Grou, 580. Hoje a 4.ª, horários variados. Grátis

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.