Netflix
Netflix

Com ‘Roma’, América Latina deve levar o quarto Oscar de filme estrangeiro

Até agora, apenas os argentinos O Segredo dos seus Olhos e A História Oficial e o chileno Uma Mulher Fantástica ganharam o Oscar; entrega do Oscar será neste domingo, 24

Alessandra Monnerat e Caio Sartori , O Estado de S. Paulo

24 de fevereiro de 2019 | 03h00

Caso o mexicano Roma, de Alfonso Cuarón, confirme o favoritismo e vença como melhor filme em língua estrangeira no Oscar deste domingo, ele entrará para a seleta lista de filmes latino-americanos que ganharam a estatueta. Foram apenas 3 em mais de 60 anos da premiação: 2 para a Argentina (O Segredo dos seus Olhos e A História Oficial) e 1 para o Chile (Uma Mulher Fantástica), ou seja, 5% do total.

Se levar também a estatueta de melhor filme, Roma pode se tornar o primeiro título estrangeiro a vencer na categoria. Apenas 9 filmes de fora dos EUA foram indicados em 91 anos e nenhum era latino. Apesar desse aparente vira-latismo, dos últimos cinco prêmios concedidos pela Academia a diretores, quatro foram para mexicanos: Guillermo Del Toro (1), Alejandro Iñárritu (2) e Cuarón (1).

Mais do que questão cinematográfica, o protagonismo do México tem fundo político, aponta o coordenador do curso de Cinema da Faap, Humberto Neiva. “A assunto do momento é a construção do muro contra o México. Um dos atores de Roma teve o visto negado para entrar nos EUA”, diz.

Ainda assim, o domínio europeu na categoria de filme estrangeiro é gritante. Com 47 vitórias, o Velho Continente abocanhou 76% dos prêmios – hegemonia puxada por Itália e França. Os dois países têm, respectivamente, 11 e 9 estatuetas, a maioria recebida entre os anos 50 e 70, quando ambos tinham diretores renomados, com influência do neorrealismo Italiano e da nouvelle vague. O maior vencedor da categoria é o italiano Fellini, com 4 prêmios. 

A partir dos anos 80, no entanto, o domínio dos dois países diminuiu, e hoje as indicações são mais pulverizadas. Mais recentemente, países de outros cantos ganharam estatuetas. É o caso do iraniano Asghar Farhadi, que conquistou 2 Oscars nesta década. Segundo Neiva, a globalização tem papel importante na divulgação da produção de outras partes do mundo. “É fundamental para ter maior diversidade”, acrescenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.