Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Com "Matrix Revolutions", saga cai no vazio

Passado o impacto inicial de Matrix (1999) e a frustrante surpresa de Matrix Reloaded, a trilogia chega ao fim de forma melancólica com Matrix Revolutions, que estréia hoje, simultaneamente, no mundo inteiro. Segundo a distribuidora, 20 mil salas de cinema distribuídas por 65 países começarão a exibir o filme quase ao mesmo tempo. No Brasil, 420 cópias começam a ser projetadas a partir do meio-dia.O segmento que deveria amarrar toda a série deixa em aberto muitas questões. A forte carga filosófica e religiosa impressa à trajetória do predestinado Neo (Keanu Reeves) cai no mesmo vazio em que sua amada Trinity (Carrie-Anne Moss) mergulha no início e no fim do segundo segmento. A grande sacada dos irmãos Wachovski revela-se, assim, nada mais do que um grande truque, planejado exclusivamente para atrair platéias massivas.Um truque que, apesar de tudo, deu certo. Produzido por US$ 63 milhões, o primeiro Matrix rendeu US$ 375 milhões no mundo inteiro. Matrix Reloaded superou a marca do filme de estréia, arrecadando US$ 735 milhões em todo o globo. No Brasil, este ano, a primeira seqüência ficou em segundo lugar no ranking dos filmes mais assistidos, com 5,2 milhões milhões de ingressos vendidos, perdendo apenas para a comédia Todo Poderoso, com Jim Carrey.Nenhum desses números, no entanto, conseguiu disfarçar a sensação de desconforto e frustração dos fãs com o que foi feito com a promissora mistura de ficção científica, artes marciais, filosofia e religião que se anunciou com Matrix. No início, tudo girava em torno de um hacker, Neo, resgatado do "mundo real" - nada mais do que a imagem virtual produzida pelos computadores do Matrix - por renegados de um mundo paralelo controlado por máquinas e alimentado pela criação sintética de seres humanos.Neo seria o predestinado, uma espécie de salvador da pátria, o responsável pela libertação dos seres humanos do jugo das máquinas. Segundo o Oráculo, ele seria o sexto predestinado, cuja função é voltar à fonte - o mainframe do computador - para reiniciar o Matrix pela sétima vez. Feito isto, ele deveria escolher 16 mulheres e seis homens para repovoar Zion, o refúgio dos seres humanos que conseguiram fugir da armadilha das máquinas. Mas esquiva-se de sua missão para salvar a vida de sua amada.Em Matrix Revolutions, depois de salvar Trinity e colocar em risco a humanidade, Neo é mandado para uma espécie de limbo. Enquanto isso, as máquinas atacam Zion e os renegados tentam se proteger da melhor maneira. No chamado "mundo virtual", o agente Smith (Hugo Weaving), uma espécie de vírus criado para frear qualquer possibilidade de revolta humana, certifica-se de que Neo não obtenha ajuda de mais ninguém.Eventualmente, claro, Neo consegue se libertar e volta a Zion, de onde segue para a fonte e obtém ajuda das máquinas para voltar ao mundo virtual de Matrix. O ponto alto do filme é justamente o combate entre Neo e Smith, sob uma chuva torrencial e incessante. Foram necessárias seis semanas de filmagens para realizar a seqüência, além de toneladas de água sendo despejadas sobre a cabeça dos atores 12 horas ao dia.Sem o benefício da novidade, Matrix Revolutions fica à mercê de características com as quais não conta: profundidade e consistência. Apoiado em efeitos que tornaram-se comuns e corriqueiros ao longo de três anos, teria a seu favor somente a história que conta. E dela não se pode extrair muito além do que se viu no primeiro filme.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.