Com alta tecnologia, estréia "O Expresso Polar"

Usando a técnica conhecida como performance capture, o cineasta Robert Zemeckis quer revolucionar Hollywood. O diretor usou a tecnologia para transformar Tom Hanks em diferentes personagens na animação O Expresso Polar, que estréia hoje nos Estados Unidos e deve chegar aos cinemas do Brasil em 26 de novembro.No filme, uma aventura de Natal, Tom Hanks interpreta vários personagens, entre eles o menino, o condutor do trem, um robô e o Papai Noel. Usando uma roupa especial com sensores que captavam seus movimentos, Tom Hanks teve seus movimentos e suas expressões registrados por computador, criando os diferentes personagens. A história é uma adaptação do livro homônimo de Chris Van Allsburg, publicado há cerca de 20 anos. Desde sua primeira publicação em 1985, foram vendidas mais de seis milhões de cópias em todo o mundo. Oscar de diretor por Forrest Gump, Zemeckis também assina outras grandes produções, como Contato, Náufrago, Uma Cilada para Roger Rabbit e De Volta para o Futuro. Diz que não teve tempo de pensar em chances de Oscar para O Expresso Polar, mas não esconde a certeza de que a nova tecnologia vai mudar o perfil das grandes produções de Hollywood. Fã de Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick e David Lynch, o diretor falou ao Estado em sua sala - no Skywalker Ranch, produtora de George Lucas na Califórnia.Por que o filme demorou quase três anos para ser feito? Ele levou um ano a mais do que um filme convencional por dois motivos. Primeiro porque demorou um tempo considerável para fazer todas as tomadas com esta técnica, não é como filmar em externas ou estúdios. Segundo porque o performance capture leva tempo muito maior para finalizar as cenas, no nosso caso, um ano inteiro. É claro que tudo isso se deve porque estamos desbravando uma tecnologia nunca usada dessa maneira antes. Mas na medida em que ficar mais avançado e os produtores se acostumarem à técnica, tudo será muito mais rápido.Não acha que a nova técnica pode aumentar a fila de atores desempregados? Não. Acho que os atores vão ficar ainda mais versáteis, capazes de fazer qualquer projeto. Os grandes atores poderão ser o que quiserem em todo tipo de filme. Não há nada a temer, só a comemorar. Esta técnica foca na atuação pura do ator, sem elementos que possam maquiar seu desempenho.O que você acha que pode ser melhorado na nova tecnologia? O próximo passo será fazer com que o público não consiga distinguir entre um personagem virtual e um real.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.