Paramount
Paramount

Coleção pessoal de Audrey Hepburn será leiloada em Londres

Acervo inclui de vestidos pretos curtos ao script do inesquecível 'Bonequinha de luxo'

AFP

25 de setembro de 2017 | 12h23

De vestidos pretos curtos ao script do inesquecível Bonequinha de luxo: os filhos de Audrey Hepburn decidiram leiloar a coleção pessoal da ícone de Hollywood cuja popularidade, 24 anos após sua morte, não diminui.

"Tudo o que você vê aqui estava no sótão da nossa casa na Suíça. Minha mãe não era colecionadora, mas guardava certas peças por razões sentimentais, porque isso trazia memórias", declarou à AFP Luca Dotti, um dos dois filhos da atriz que faleceu de câncer em 1993 aos 63 anos de idade.

Um total de 500 lotes pertencentes à atriz britânica nascida na Bélgica de um pai britânico banqueiro e uma mãe membro da aristocracia holandesa serão leiloados em 27 de setembro.

Entre as peças, a mala com a qual ela desembarcou em Londres em 1948 para tentar sua sorte como atriz, bem como vários roteiros originais com suas anotações, incluindo o mítico "Bonequinha de luxo" (1961) e "Charada" (1963).

Mas é sobretudo o guarda-roupa da atriz, celebrada por sua elegância, que está no cerne da venda: vestidos pretos, bailarinas multicoloridas, cachecóis e óculos.

Entre as principais peças da coleção está o vestido em cetim azul assinado por Hubert de Givenchy, de quem ela se tornou musa, ou as peças de Valentino, tão pequenas que poucas mulheres poderiam vesti-las, de acordo com o filho mais velho da atriz, Sean Hepburn Ferrer.

Igualmente à venda, o trench coat bege Burberry usado em Bonequinha de luxo ou a piteira do filme Minha bela dama (1964).

A venda também contará com peças particularmente íntimas, como o quadro My garden flowers, que a atriz pintou enquanto estava grávida de seu segundo filho, Luca Dotti, ou ainda sua pequena câmera pessoal com a qual gostava de filmar seus amigos.

Mas Sean Hepburn Ferrer e Luca Dotti preferiram guardar algumas fotos, especialmente de sua mãe quando criança, ou os prêmios que recebeu, incluindo a estatuá do Oscar de 1954 por seu papel em A princesa e o plebeu.

"Gosto particularmente do início da sua carreira. Sua vida antes de se tornar Audrey Hepburn", afirma Luca Dotti.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.