Código Da Vinci, vendas pela web e protestos no mundo

Apesar de toda a polêmica que envolve o filme O Código Da Vinci, estrelado por Tom Hanks, que chega aos cinemas de todo o mundo no dia 19, a procura por ingressos pela rede é intensa. Em apenas três dias, o site www.ingresso.com.br informa ter vendido mais de mil ingressos pelo portal. A expectativa é de que o filme seja o campeão de bilheteria pelo site, posto conquistado por Star Wars - A Vingança dos Sith, com mais de 54 mil ingressos vendidos.Em São Paulo, O deputado Salvador Zimbaldi (PSB-SP) está travando uma guerra contra a exibição do filme O Código Da Vinci, baseado no livro do escritor Dan Brown. Depois de ter uma medida cautelar recusada na 2.ª Vara Cível do Fórum Regional de Santo Amaro, o deputado irá recorrer ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. O advogado de Zimbaldi, Affonso Pinheiro, disse hoje que estava preparando a apelação a ser apresentada nos próximos dias, com pedido de liminar para impedir a exibição.Na Irlanda, uma organização cristã está lançando uma campanha informativa para advertir ao público católico contra os "mitos e imprecisões" do filme. O objetivo da organização Esperança Irlanda, composta por católicos e protestantes, é revelar o trabalho de ficção que há no livro homônimo do escritor norte-americano Dan Brown.O grupo é respaldado pela Igreja da Irlanda (protestante), a Conferencia Episcopal irlandesa e a OpusDei, diz que a obra de Brown "ignora a diferença entre realidade e ficção".Em Cingapura, o filme O Código da Vinci será proibido para menores de 16 anos, conforme informou hoje a imprensa local, citando o Comitê de Censores de Filmes. O comitê avaliou que "só uma audiência madura será capaz de discernir e diferenciar entre fatos e ficção". A decisão foi tomada após consultas ao Painel Assessor de Filmes, que reúne vários setores da sociedade cingapuriana.As autoridades de Cingapura são muito cautelosas com temas religiosos. O cristianismo é a terceira maior religião do país, depois do budismo e do islamismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.