Coco Chanel promoveu direitos das mulheres, diz Audrey Tautou

Gabrielle "Coco" Chanel não apenas criou roupas belas, mas também promoveu os direitos das mulheres, diz a atriz Audrey Tautou, que representa a pioneira estilista francesa em um novo filme.

MICHELLE NICHOLS, REUTERS

21 de setembro de 2009 | 14h44

"Coco Before Chanel," que estreia nos EUA na sexta, conta a história do início da vida de Chanel, que passou a infância em um orfanato, tentou ser cantora com sua irmã e então tornou-se amante de um homem rico para escapar da pobreza.

Depois disso ela conheceu o amor de sua vida, que a ajudou a fazer seu talento de estilista desabrochar e financiou o início de sua grife.

"Sua personalidade, seu desejo de desfrutar a mesma liberdade dos homens, e não depender deles, é exatamente aquilo pelo qual lutamos," disse à Reuters Tautou, cujos trabalhos anteriores incluem "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain" e "O Código Da Vinci."

"Ela lutou por ela mesma, mas acho que ela mudou muitas coisas para ela e para nós," disse Tautou. "Ela fez as coisas primeiramente para ela mesma, e não por uma causa."

Tautou disse que foi abordada para diferentes filmes sobre Chanel, mas escolheu o filme da diretora Anne Fontaine porque focava o início da vida de Chanel. Ela admitiu, também, que ficou insegura ao retratar a estilista.

"Ela era uma mulher tão brilhante, tão especial, não convencional e carismática, que tive medo de não conseguir expressar e mostrar quão diferente e carismática ela foi," disse Tautou.

"Eu não queria fazer algo superficial ou que apenas ilustrasse os grandes fatos da vida de Chanel, porque penso realmente que a personalidade dela era singular, não convencional, espantosa, brilhante. Eu quis tirar o véu."

FILMES SOBRE MODA

Os críticos não foram unânimes em relação a "Coco Before Chanel," que estreou na França e outros países há alguns meses.

"Convencional em sua abordagem, este filme não chega perto de ser tão fascinante e imprevisível quanto seu tema," escreveu Wendy Ide, do jornal The Times de Londres. "Mas a performance de Tautou infunde classe ao filme."

O trabalho francês é um de dois filmes lançados este ano que focam aspectos da vida de Chanel e é o mais recente de uma série de filmes e documentários relacionados à moda a chegar aos cinemas.

"Coco Chanel e Igor Stravinsky," que encerrou o Festival de Cinema de Cannes em maio, foi dirigido pelo holandês Jan Kounen e mistura fatos e ficção para tratar de um caso breve entre Coco Chanel e o compositor russo Stravinksy.

Também chega aos cinemas este ano o documentário "The September Issue," que vai aos bastidores da revista Vogue americana para acompanhar a editora Anna Wintour, e "Valentino: The Last Emperor," um olhar intimista sobre os últimos dois anos do estilista italiano à frente de sua grife. E o estilista americano Tom Ford fez sua estreia como diretor no Festival de Veneza este mês com o filme "A Single Man."

Tudo o que sabemos sobre:
FILMECHANELTATOU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.