Clooney chega às locadoras em dois lançamentos

George Clooney foi a Cannes este ano para mostrar o novo filme de Joel Coen - O Brother, Where Art Thou. Deixou as mulheres loucas. Foi preciso cordão de isolamento para manter as fãs a distância. Na França ou no Brasil, seu sucesso entre as mulheres é inegável. Elas gostarão de saber que a Warner Home Vídeo coloca este mês duas novidades nas locadoras. Três Reis já está disponível desde ontem. Código de Ataque chega só no dia 25. São, como se diz, dois filmes de machos. Mas o público feminino vai prestigiar, com certeza. O que uma mulher não faz pela bela estampa de George Clooney?Três Reis estreou nas férias do começo do ano no Brasil. Não provocou muita sensação. Na França, foi o filme mais discutido dos últimos anos. Esqueça Stanley Kubrick e seu De Olhos bem Fechados, esqueça qualquer outra obra que tenha acirrado a polêmica ultimamente. No país da cinefilia só deu para Três Reis. É um filme de aventuras. Passa-se durante a Guerra do Golfo e gira em torno de três amigos que descobrem o tesouro secreto de Saddam Hussein. Arman um jeito de levar as barras de ouro para casa, na América. Isso é só o ponto de partida. Clooney divide a cena com Mark Walhberg, seu parceiro no elenco de Mar em Fúria, que estréia este mês, e Ice Cube. O diretor Spike Jonze, de Quero Ser John Malkovich, faz um papel importante.Até Jean-Luc Godard saiu do seu refúgio na Suíça e veio a público para discutir Três Reis. É um filme de David O. Russell, diretor que já mostrou talento em Procurando Encrenca. No Brasil, seu novo filme foi despachado como uma aventura e os críticos ainda aproveitaram para falar mal do que seria a atitude antiárabe ou anti-Saddam, em todo o caso, de Russell. Não entenderam nada. Cahiers du Cinéma e Positif esqueceram suas divergências e alinharam-se para defender Três Reis como o filme mais esquerdista que Hollywood produziu não só nos últimos anos, mas nas últimas décadas. A própria aventura é desconstruída de forma totalmente subversiva em relação aos códigos do gênero. Veja, ou reveja. É o mínimo que você poderá fazer para confirmar se é delírio de intelectual francês ou tem fundamento.Não parece despropositado imaginar que Três Reis possa despontar, em seguida, entre os preferidos do público nas locadoras. É mais difícil que Código de Ataque venha a integrar a mesma lista. O filme de Stephen Frears é menos aventuresco, mas ao saber como foi feito é possível que o espectador, principalmente se for cinéfilo, vá fazer fila na porta da locadora no dia 25. Código de Ataque foi gravado em vídeo, de uma só vez, e foi ao ar, em 9 de abril, na CBS, como um raro experimento atual de televisão ao vivo.Raro, mas não único. Em 1997, por iniciativa de Clooney, um episódio de Plantão Médico já havia ido ao ar ao vivo, na rede NBC. Código de Ataque não só retomou como ampliou a experiência. O filme, intitulado Fail Safe em inglês, baseia-se no original de Sidney Lumet, de 1964, que passou como Limite de Segurança no Brasil. E cabe dizer que não só é contemporâneo como também apresenta semelhança temática com o genial Doutor Fantástico, de Stanley Kubrick. Na história, uma falha no sistema de segurança coloca um jato americano cheio de bombas no rumo de Moscou, para despejá-las sobre a capital da Rússia. Não há retorno possível, porque o código de ataque é inviolável - nem os apelos do presidente dos EUA (Richard Dreyfuss) nem as lágrimas do próprio filho desviam o piloto George Clooney de sua missão destrutiva.Código de Ataque foi feito em preto-e-branco, um motivo a menos para atrair o público das locadoras. Mas só podia ser em P&B, já que pretende recriar não só o clima do original, mas de toda uma época sombria. Limite de Segurança foi feito no auge da guerra fria entre EUA e a então União Soviética. O que está em discussão não é só a bomba e sua potência destruidora, mas um tipo de confronto entre as superpotências que, durante anos e até décadas, manteve o mundo em suspense, por causa da corrida armamentista. A discussão é forte, o filme é bom. O fato de ser TV ao vivo torna-o ainda mais fascinante.Três Reis (Three Kings), EUA, 1999. Direção de David O´Russell. Código de Ataque (Fail Safe). EUA, 2000. Direção de Stephen Frears. Os dois com George Clooney. Warner. Rental.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.