Clint Eastwood dirige Jolie em drama sobre filho perdido

Clint Eastwood dirige Angelina Jolie numemocionante drama dos anos 1920 baseado na história verídica deuma mulher cuja busca por seu filho desaparecido a obrigou aenfrentar a polícia de Los Angeles e um serial killer decrianças. Houve uma certa confusão nesta terça-feira sobre o títulodo filme, um dos 22 da competição principal do Festival deCinema de Cannes deste ano. O título original em inglês era"The Changeling", mas foi mudado para "The Exchange" (noBrasil, será "A Troca"). Baseado em arquivos da prefeitura de Los Angeles queestavam prestes a ser destruídos quando o roteirista J. MichaelStraczynski os resgatou, depois de receber uma informação arespeito, a história trata de uma mulher da classetrabalhadora, Christine Collins, cujo filho de 9 anosdesaparece. A polícia, que precisa desesperadamente de publicidadepositiva, diz que encontrou o garoto, mas, quando Collinsinsiste que o menino encontrado não é seu filho, ela é sujeitaa uma campanha difamatória e internada numa clínicapsiquiátrica por cinco dias. Com a ajuda de um pastor carismático representado por JohnMalkovich, ela parte em busca da verdade e, com isso, acabaexpondo a corrupção e incompetência da força policial. Em separado, um serial killer de crianças é capturado, eduas histórias diferentes acontecem. "Com sua tenacidade, essa mulher derrubou todo odepartamento de polícia e a estrutura policial da cidade. Oprefeito não foi reeleito", disse Eastwood após a sessão em que"A Troca" foi exibido para a imprensa e aplaudido comentusiasmo. Jolie, que já é mãe e está grávida de gêmeos, disse que opapel de Collins foi difícil de representar. A atriz de 32 anoscomeçou a trabalhar com Clint Eastwood pouco depois de fazer "OPreço da Coragem", em que representou a mulher grávida dojornalista assassinado Daniel Pearl. "Boa parte da dificuldade está em ser mãe e imaginar 'e seisso estivesse acontecendo comigo, minha dor, minhafrustração"', disse ela. "Perdi minha mãe poucos meses antes de fazer o filme, e,para mim, Christine Collins é muito parecida com minha mãe.Minha mãe era muito passiva, de muitas maneiras, e muito doce,mas, quando se tratava de defender seus filhos, era uma leoa." Durante a coletiva de imprensa após a sessão do filme,comparações foram traçadas entre "A Troca" e "Sobre Meninos eLobos", de Eastwood, estrelado por Sean Penn, que é tambémpresidente do júri de Cannes este ano. Eastwood enxergou também paralelos com seu papel de tiradurão em "Perseguidor Implacável" ("Dirty Harry"), lançado há37 anos. "Esse filme também mostrou um policial tenaz que queriacombater a burocracia política para defender as vítimas," disseele. As primeiras reações da crítica sugeriram que o filme deEastwood pode ser um candidato forte à cobiçada Palma de Ourode melhor filme em Cannes.

MIKE COLLETT-WHITE, REUTERS

08 de maio de 2020 | 13h40

Tudo o que sabemos sobre:
FILMECANNESEASTWOODJOLIE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.