Gerard Julien/AFP
Gerard Julien/AFP

Claude Lanzmann foi o grande cineasta do Holocausto

Em 'Shoah', filmou do ponto de vista das vítimas e também dos alemães, que negavam sua responsabilidade

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 11h01

Em janeiro deste ano, a Universidade Yale, nos EUA, comprou as mais de 100 cartas de amor que Simone de Beauvoir escreveu a seu jovem amante, Claude Lanzmann. Ele protestou - “Essas cartas interessavam somente a nós.” Em Cannes, em maio, já se comentava que ele estava com a saúde debilitada. Nesta manhã, 5 de julho, Claude Lanzmann morreu em sua residência. “Estava com a saúde muito, muito frágil”, informou, num comunicado sua editora, a Gallimard.

++ Cineasta francês Claude Lanzmann morre aos 92 anos

++ Claude Lanzmann foi autor do monumental filme ‘Shoah’

Lanzmann nasceu em Bois-Colombe, em 27 de novembro de 1925. Antes dos 30, já estava em Paris, frequentando os meios intelectuais. Trabalhou na revista Temps Moderns e foi secretário de Jean-Paul Sartre. Por sete sanos, viveu uma intensa relação com Simone, quase 20 anos mais velha. Pelas cartas, é evidente que a diferença de idade nunca foi um problerma. Lanzmann não foi pioneiro na abordagem no Holocausto, mas, em seu documentário mais conhecido e famoso, Shoah, com mais de 9 horas de duração, conseguiu mostrar imagens nunca antes divulgadas dos campos de extermínio – Treblinka, Sobibor, Auschwitz. Filmou do ponto de vista das vítimas e também dos alemães, que negavam sua responsabilidade.

Antes dele, no começo dos anos 1970, Marcel Ophuls já fizera Le Chagrin et la Pitié, justamente abordando a responsabilidade dos franceses durante a ocupação. Centrado na cidade de Clermont-Ferrand, o filme em preto e branco, e com mais de 4 horas, é feito de imagens de época, sem entrevistas nem comentários, mas que mostram claramente o colaboracionismo dos habitantes com os alemães. Numa rara entrevista, o entertainer Maurice Chevalier, em inglês, defende-se das acusações contra ele e, depois, umas canção radiosa dele embala as cenas da liberação, com o objetivo de provocar mal-estar.

Lanzmann foi mais polêmico com outro documentário, Tsahal, com mais de 5 horas, ao focar as Forças Armadas de Israel. Segundo ele, o país fundado sobre a memória de um massacre tinha todo direito de se defender. No ano passado, Napalm, retratando a Coreia do Norte 60 anos após a (quase) destruição do país pelas bombas norte-americanas, esteve longe de ser uma unanimidade, em Cannes. Mas seu legado é indiscutível. Foi o grande cineasta do Holocausto.

Mais conteúdo sobre:
Holocausto Claude Lanzmann cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.