Clássicos restaurados em mostra na Cinemateca

Um grande filme, mesmo que antigo e já visto, não precisa de data comemorativa para estar novamente em exibição no cinema. Esta idéia foi o ponto de partida para a programação da Sala Cinemateca, que apresenta, de hoje até dia 2 de fevereiro, 25 filmes clássicos nacionais e internacionais. Serão 21 filmes nacionais - feitos na Companhia Cinematográfica Vera Cruz nas décadas de 50 e 60 e produções do Cinema Novo dos anos 70 - e quatro internacionais. Entre estes são dois trabalhos de Charlie Chaplin, The Idle Class e O Garoto, e O Maravilhoso Leque Vivo e A Conquista do Pol, de George Méliès. A programação vai mudar a cada semana e alguns filmes serão repetidos em dias intercalados.O primeiro filme nacional que vale a pena ser visto, a começar pela dificuldade em ser encontrado, é Meteorango Kid - Herói Intergalático, do baiano André Luiz de Oliveira, feito em 1969. O filme não traz nenhum nome de peso no elenco e tem vários personagens em cena que em comum têm o fato de fumarem sem parar. A Passionata, de 1952, dirigido por Fernando de Barros, também faz parte da seleção de filmes raros, assim como O Saci, baseado no livro de Monteiro Lobato e produzido pela Vera Cruz, em 1953, por Rodolfo Nanni. O Saci foi premiado na época pela boa adaptação da obra de Lobato e marca a estréia de Nelson Pereira dos Santos no cinema. Ele trabalhou como assistente de direção de Nanni. Nelson Pereira dos Santos também estará representado na programação também com Como Era Gostoso o Meu Francês, de 1971, e Fome de Amor, de 1967, que tem o sugestivo subtítulo Você Nunca Tomou Banho de Sol Inteiramente Nua? e traz no elenco Leila Diniz. A premiada obra de Anselmo Duarte, O Pagador de Promessas, de 1962, que tem no elenco Leonardo Vilar, Geraldo Del Rey, Dionísio Azevedo, Glória Menezes, Othon Bastos e Norma Bengell, também está entre os clássicos do cinema nacional em exibição. Os filmes de Glauber Rocha Barravento, de 1961, e Terra em Transe, de 1967, com Jardel Filho, Glauce Rocha, Paulo Autran, Paulo Cesar Pereio, Mario Lago e José Lewgoy serão exibidos duas vezes em semanas distintas. O diretor da Cinemateca Brasileira, Guilherme Lisboa, diz que alguns filmes, como, por exemplo, de Terra em Transe e O Pagador de Promessas - embora sejam vistos com mais freqüência que os demais, tem como diferencial o tratamento recebido para esta exibição. "Todas as películas passaram por algum tipo de intervenção da equipe da Cinemateca. De certa forma, a programação é o resultado de um trabalho que estamos fazendo desde 1997 de cuidado e restauro das cópias e das matrizes que temos na nossa sede". Por esta razão, mesmo filmes muito antigos como Fragmentos da Vida, produção de 1929 de José Medina - que mostra a cidade de São Paulo - e Ganga Bruta, de Humberto Mauro, filmado em 1933, podem ser vistos sem prejuízo de imagem ou som. A maioria dos filmes, porém, data de meados dos anos 50 e 60 e início dos anos 70. Estão previstos Simão, o Caolho, de 1952, dirigido por Alberto Cavalcante, Sinhá Moça, de 1953, de Tom Payne e Osvaldo Sampaio; Na Senda do Crime, de Flamínio Bollini Cerrie, de 1954; A Grande Cidade, de 1966, de Cacá Diegues; Jardim de Guerra, de Neville D´Almeida, de 1968; Bang-Bang, de 1971, de Andrea Tonnaci; Mulher de Verdade, de 1973, também de Alberto Cavalcante, e Triste Trópico, de Artur Omar, de 1974. Cinemateca - Largo Senador Raul Cardoso, 207, Lapa. Tel.: 5084-2177

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.