Divulgação
Divulgação

Clássicos do cinema para comemorar dois anos da reabertura do Belas Artes

Entre os longas, 'Parente é serpente', de Mario Monicelli, e Jules e Jim, de François Truffaut; confira a programação completa

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

20 Julho 2016 | 15h58

Completaram-se na terça, dia 19, dois anos da reinauguração do Belas Aertes, agora rebatizado Caixa Belas Artes. Você ainda pode comemorar, e com direito a Passaporte Cinéfilo. Você compra na quarta, 20, ou quinta, 21, um ingresso e isso lhe dá direito a assistir a mais seis filmes até sexta, 22, pagando apenas R$ 7. E ainda tem a propgramação especial da Sala Drive-in, que André Sturm pretende transformar no cantinho especiasl do complexo. A Sala Drive-in está resgatando clássicos. É seu perfil, e só para deixar com água na boca aqui vão seus destaques na semana de 21 a 27.

Adeus, Lênin!, de Wolfgang Becker

Um dos filmes mais cultuados do cinema alemão recente. Na produção de 2002, a mãe de Daniel Brühl sai do coma. É uma stalinista convicta e o filho tenta esconder que não existe mais Muro de Berlim - nem Alemanha Oriental. Humor político, e sombrio.

Amor à Flor da Pele, de Wong Kar-wai

Um dos mais belos e românticos filmes do cinema. Tony Leung e Maggie Cheung são casados e descobrem que podem estar sendo traídos pelos resapectivos companheiros. E eles também se sentem atraídos. Kar-wai conta sua história por rupturas, mais sugerindo que mostrando. Numa cena, Maggie avança por um coreredor ao som de música. Nada acontece. Nada? NO imagin´[ario do espectyadore, pode ser tudo.

O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, de Jean-Pierre Jeunet

Audrey Tautou virou uma estrela internacional com este filme de 2002, sobre jovem parisiense que desenvolve um outro olhar sobre as coisas. Como todo filme do diretor Jeune, o visual é trabalhado e carregado.

Jules e Jim, de François Truffaut

A obra-prima de Truffaut permanece este clássico de 1961, que ele adaptou do romance de Henri-Pierre Roché. No Brasil, foi lançado originalmente como Uma Mulher para Dois. Dois amigos, Oskar Werner e Henri Serre, se apaixonam pela mesma mulher, a terna e cruel Catherine - Jeanne Moreau numa participação memorável, e ela canta Tourbillon. A vida como turbilhão, o cinema como justesse e politesse.

A Liberdade É Azul, de Krysztof Kieslowski

O primeiro episódio da trilogia das cores, por meio da qual o autor polonês colocou em discussão a permanmência dos ideais republicanos na vida contemporânea. Liberdade, igualdade, fraternidade. Juliette Binoche perde o marido e o filho num acidente e confronta-se com a liberdade absoluta que só a loucura permite. Kieslowski filma o indizível. E o filme de 1994 ainda tem a trilha genial de Zbigniew Preisner.

O Menino e o Mundo, de Alê Abreu

A animação brasileira que foi indicada para o Oscar da categoria deste ano. O garoto confrontado com o mundo - a natureza, as máquinas. A páletas de cores do diretor faz desse fiulme uma experiência e tanto.

Parente É Serpente

O italiano Mario Monicelli fez grandes comédias que o estabeleceram como mestre do humor numa cinematografia pródiga em talentos na arte de fazer rir - Dino Risi, Luigi Comencini, Ettore Scola etc. Este, de 1993, é um de seus melhores filmes, sobre família que tem de lidar com problema inesperado. Quem vai ficar com papai e mamãe, que estão velhinhos e necessitam de atendimento especial? O riso corre solto, mas é amargo. Uma tragicomédia.

A Profecia, de Richard Donner

Um dos filmes de terror mais assustadores do cinema. Gregory Peck e Lee Remick assumem a guarda do pequeno Damien e descobrem que o garoto angelical pode ser o Anticristo. E ele, o pequeno demo, vai parar na Casa Branca. O ano era 1976, a era Jimmy Carter seria breve, e logo iria começar a globalização na economia, com Ronald Reagan. Vade retro!

Sapatinhos Vermelhos, de Michael Powell e Emeric Pressburger

Talvez o mais prestigiado filme de balé da história do cinema. Moira Shearer faz bailarina que arrisca seu futuro na companhia ao se apaixonar pelo compositor Marius Goring. Há um culto a Michael Powell, Martin Scorsese é seu oficiante. Belas cores,mas o clássico de 1948 talvez não seja tão 'clássico' assim.

PROGRAMAÇÃO:

Quinta, 21

14h30-Julieta - Espanha, 2016, 99min, idioma: espanhol (legendado)

17h30 - A Liberdade é azul - França, 1993, 98min, idioma: francês, romeno e polonês (legendado)

20h30 -Jules e Jim - França, 1962, 105min, idioma: francês (legendado)

Sexta, 22

14h30 -Amor a Flor da Pele - Hong Kong, 2000, 98min, idioma: cantonês e francês (legendado).

17h30 -Julieta - Espanha, 2016, 99min, idioma: espanhol (legendado)

20h30 - Adeus, Lenin! - Alemanha, 2003, 121min, idioma: inglês, alemão, russo (legendado).

Sábado, 23

13h - Sapatinhos Vermelhos - Reino Unido, 1948, 133min, idioma: inglês, francês e russo (legendado)

16h - Julieta - Espanha, 2016, 99min, idioma: espanhol (legendado).

19h -A Liberdade é azul - França, 1993, 98min, idioma: francês, romeno e polonês (legendado)

22h - A Profecia - EUA, 1976, 116min, idioma: inglês (legendado)

Domingo, 24

11h -O Menino e o Mundo - Brasil, 2013, 85min, idioma: português.

14h -Parente é Serpente- Itália, 1992, 105min, idioma: italiano (legendado).

17h - Julieta - Espanha, 2016, 99min, idioma: espanhol (legendado).

20h -O Ultimo Metro - França, 1980, 131min, idioma: francês (legendado).

Segunda, 25

14h30 - Julieta (- Espanha, 2016, 99min, idioma: espanhol (legendado)

17h30 - Ontem, hoje e amanhã     - Italia, 1963, 118min, idioma: italiano (legendado).

20h30 - Lei do Desejo - Espanha, 1987, 102min, idioma: espanhol (legendado).

Terça, 26

14h30 - 2046 - Os segredos do amor (2046) - Hong Kong, 2004, 129min, idioma: cantonês, mandarim e japonês (legendado).

17h30 - Julieta - Espanha, 2016, 99min, idioma: espanhol (legendado)

20h30 - Parente é Serpente  - Itália, 1992, 105min, idioma: italiano (legendado).

Quarta, 27

14h30 - Julieta - Espanha, 2016, 99min, idioma: espanhol (legendado)

17h30 - Jules e Jim - França, 1962, 105min, idioma: francês (legendado)

20h30 - O Fabuloso Destino de Amelie Poulain - França, 2001, 122min, idioma: francês (legendado)

  CAIXA BELAS ARTES

Rua da Consolação, 2423 - Consolação - Tel: 2894 5781 

Ingressos: Às segundas-feiras: R$ 18 (inteira) e R$ 9 (meia*); às terças e quartas-feiras (exceto feriados): R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia*); de quinta-feira a domingo:  R$26 (inteira) e R$13 (meia*). *Benefício válido para estudantes, correntistas do banco Caixa Econômica Federal, melhor idade). O cinema tem poltronas numeradas. Em todas as salas, cadeiras adequadas para obesos e espaço para cadeirantes. Venda dos ingressos: na bilheteria (cartões de débito: todos; não aceita cartão de crédito ou cheque) ou pelo site www.ingresso.com.br. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.