Jack Plunkett/Invision/AP
Jack Plunkett/Invision/AP

Clássico do cinema, 'Clube dos Cinco' comemora 30 anos

Atores do filme se reúnem para celebrar a data

Alicia Powell - Reuters , O Estado de S. Paulo

17 Março 2015 | 16h09

Trinta anos após o lançamento de Clube dos Cinco (The Breakfast Club, no título original), sobre cinco adolescentes que ficam de 'castigo' na biblioteca do colégio, as atrizes Molly Ringwald e Ally Sheedy refletiram sobre o inesperado impacto do cultuado filme de John Hughes. "Ninguém realmente conseguiu fazer um filme, eu acho, tão bom quanto o que este filme foi para sua época", disse Ringwald, que se tornou uma rainha teen de Hollywood depois que o filme foi lançado, em 1985. 

"Até algo vir para substituí-lo, acho que ele está firmemente arraigado na história dos clássicos do cinema", completou ela. 

Ringwald, de 47 anos, e Sheedy, de 52, se reuniram na segunda-feira (16) para para celebrar os 30 anos do filme no anual festival South by Southwest (SXSW), em Austin, no Texas. 


Em Clube dos Cinco, Ringwald interpretou uma 'princesa colegial', Sheedy, um "caso perdido", Judd Nelson, o revoltado, Emilio Estevez, o atleta e Anthony Michael Hall, o nerd, que são forçados a ficarem juntos num sábado na detenção do ensino médio. 

Eles inicialmente se confrontam e então lentamente percebem suas semelhanças, e vem a revelação de que não são unicamente definidos pela 'caixa' em que são colocados.  

A Universal Pictures arrecadou US$ 38 milhões de bilheteria nos EUA, e o filme se tornou um dos maiores sucessos dirigidos por Hughes.

Os cinco atores rapidamente se tornaram conhecidos como 'Brat Pack' (bando de fedelhos, em tradução literal), inspirando tipos de personagens imitados em todo o gênero de filme adolescente, de Patricinhas de Beverly Hills, de 1995, a Meninas Malvadas, de 2004. "Não acho que tivemos qualquer ideia de que o filme teria esse tipo de longevidade", disse Sheedy.

Ringwald disse que não recomenda que um clássico do cinema como Clube dos Cinco seja refeito para o público adolescente dos dias de hoje. Mas, se fosse para inspirar uma nova interpretação, ela afirmou: "Acho que ele teria de ser muito mais diversificado. Especialmente desde que a mensagem seja que estamos todos de fora, somos todos diferentes."

Andrew Meyer, o produtor executivo do filme, disse que Clube dos Cinco seria improvável de acontecer no atual mundo de tecnologia saturada, onde os jovens estariam em seus smartphones e mídias sociais ao invés de falar diretamente uns com os outros.  

Sheedy afirma que os adolescentes de hoje são também "muito sofisticados", "mais mente aberta" e um "pouco mais politicamente conscientes".  "Há uma inocência sobre Clube dos Cinco, que acho que talvez não caiba muito mais para crianças do ensino médio", disse ela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.