Reprodução/Fundação José Saramago
Reprodução/Fundação José Saramago

Cinzas de Saramago ficarão em sua fundação em Lisboa

Prefeito anuncia deposição das cinzas no jardim em frente à fundação do escritor, na Casa dos Bicos

25 de junho de 2010 | 14h47

LISBOA (EFE) - As cinzas do Nobel de literatura português José Saramago permanecerão em um jardim em frente da fundação do escritor em Lisboa, na Casa dos Bicos, segundo anunciou nesta sexta, 25, o prefeito da cidade, Antonio Costa.

 

O prefeito deu a notícia no início de uma maratona de leitura do romance "O ano da morte de Ricardo Reis" realizada hoje na capital portuguesa e detalhou que as cinzas serão enterradas ao lado de uma oliveira centenária de Azinhaga, aldeia natal do escritor.

 

Costa acrescentou que na pedra será gravada a frase "mas não subiu para as estrelas, se à terra pertencia" que faz parte do romance do literato "Memorial do convento".

 

O material da lápide virá da região de Pêro Pinheiro (em Sintra, a 30 quilômetros de Lisboa), região da qual saiu a pedra para a construção do Palácio Convento de Mafra ao que se refere o romance.

 

A viúva de Saramago, Pilar del Río, iniciou a maratona de leitura na Casa Fernando Pessoa diante de mais de uma centena de pessoas, uma semana depois da morte do escritor.

 

A diretora da Casa Fernando Pessoa, Inês Pedrosa, indicou que esta maratona nasceu de um impulso que sentiu para assinalar o sétimo dia da morte de Saramago.

 

"Habitualmente o sétimo dia da morte das pessoas é marcado por uma eucaristia, mas como Saramago não era católico, considerei que a melhor forma de homenageá-lo era lendo sua obra", acrescentou Pedrosa.

 

Está previsto que a leitura das 582 páginas de "O Ano da Morte de Ricardo Reis" continue até 2h no horário local do sábado (22h de sexta-feira Brasília).

 

Na maratona colaborarão personalidades da cultura portuguesa e escritores como Gonçalo M. Tavares, António Mega Ferreira e Leonor Xavier.

 

José Saramago morreu há uma semana na localidade de Tías (ilha espanhola de Lanzarote) aos 87 anos e foi repatriado no sábado a Lisboa, onde recebeu a homenagem de milhares de portugueses que desfilaram perante a câmara ardente instalada no Prefeitura da cidade.

 

No domingo o escritor, o único autor de língua portuguesa a ser premiado com o Nobel de Literatura,  foi cremado no cemitério do Alto de São João de Lisboa após ter assistido as honras fúnebres das primeiras autoridades do Governo português, assim como a primeira vice-presidente do Governo espanhol, María Teresa Fernández de la Vega, e inúmeros amigos e intelectuais dos dois países.

 

A fundação do prêmio Nobel em Lisboa ficará na histórica Casa dos Bicos - atualmente em reformas - que data do século XVI, foi destruída pelo terremoto de Lisboa de 1755, reconstruída em 1983 e que é conhecida pela sua original fachada revestida de pedras em forma piramidal e com janelas de estilo manuelino.

Tudo o que sabemos sobre:
José Saramago

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.