Divulgação
Divulgação

Cinzas de Carrie Fisher são depositadas em urna com forma de Prozac gigante

'Sentia que era o lugar onde ela gostar de estar', afirmou o irmão, que disse ter tido a ideia junto com a filha da atriz de 'Star Wars'. Ela foi enterrada ao lado da mãe, Debbie Reynolds.

EFE

07 Janeiro 2017 | 17h24

As cinzas de Carrie Fisher, a atriz que deu vida à inesquecível princesa Leia em Star Wars e que morreu aos 60 anos em Los Angeles após ter sofrido um ataque cardíaco em dezembro, foram depositadas no cemitério em uma urna com a forma de uma pílula do antidepressivo Prozac.

O irmão de Fisher, Todd, que chegou ao funeral em Hollywood Hills com a urna de formato peculiar, afirmou que se tratava de uma "das posses favoritas" da atriz, que enfrentou dependências de drogas e do álcool e que foi diagnosticada com transtorno bipolar no início de 1990.

"Sentia que era o lugar onde ela gostaria de estar", afirmou Todd Fisher, que garantiu que tinha tomado a decisão junto com Billie, a filha de Carrie, a também atriz Billie Lourd. Carrie Fisher descansará no cemitério junto com sua mãe, a também atriz Debbie Reynolds, que morreu apenas um dia após sua filha aos 84 anos de idade.

Recentemente, Fisher havia apresentado seu livro de não-ficção The princess diarist, no qual relatava sua experiência e diversas curiosidades e segredos da filmagem de Star Wars, e tinha gravado cenas da série de TV Catastrophe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.