Cinemateca homenageia Paulo Emílio

Olga Futemma é uma das mais antigaspesquisadoras do Centro de Documentação e Pesquisa da CinematecaBrasileira. Há 18 anos, organiza documentos e os arquivos, quecontam com mais de 9 mil livros, cerca de 150 mil filmes e aindacartazes, jornais, objetos pessoais e coleções particulares,como a de bois de cerâmica de Paulo Emilio Salles Gomes. O crítico e um dos fundadores da Cinemateca e doSuplemento Literário do jornal O Estado de S. Paulo recebe umahomenagem especial nos 25 anos de sua morte: a inauguração daBiblioteca Paulo Emílio Salles Gomes, além do evento"Atualidade Paulo Emilio", realizados desta terça-feira até o dia15 com uma programação recheada de debates, filmes vistos porele e sobre os quais fez críticas, além da exposição de painéiscom fotomontagens de escritos e muitos manuscritos dointelectual. Olga é quem apresenta cada detalhe desse novoespaço. Um galpão de dois andares divide-se entre uma grandebiblioteca, que deve agradar aos cinéfilos e aos pesquisadores.Guia de filmes, publicações, revistas e uma vasta coleção delivros, com 3 mil volumes e 2 mil roteiros, preenchem asprateleiras. No piso superior, a biblioteca pessoal de PauloEmilio foi acomadada, com 4 mil volumes sobre cinema e outrosassuntos, que dão conta da formação intelectual do crítico."Paulo Emilio era um homem muito generoso", lembra Olga,ex-aluna do professor na USP. "Ele costumava presentear comseus livros, era muito desprendido." Ela faz parte da equipe que organiza essa documentação."Arquivamos todo o material, catalogamos e parte está sendodigitalizada. Mantivemos tudo, incluindo objetos de uso pessoalou as coleções, como os bois de cerâmica. Aspectos pessoaistrazem novos elementos à pesquisa, o que auxilia a compreender ouniverso da pesquisado", diz, ao apresentar o roteiro de Deuse o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha, com anotaçõesmanuscritas e em papéis, cuidadosamente organizados em umapasta. No entanto, nem todo o arquivo da Cinemateca ficará àdisposição do público. "Alguns documentos possuem um valorhistórico alto, além de serem delicados, por conta do tempo.Para utilizar, o pesquisador precisa ter uma boajustificativa." Festa - Já o evento "Atualidade Paulo Emilio" surgiucom duas funções: a primeira é prestar uma grande homenagem aocrítico e torná-lo mais próximo do público. "A Cinemateca abresuas portas para todas as pessoas conhecerem um pouco mais dopensamento de um dos principais críticos brasileiros e aindaapresentar os resultados da primeira fase de reformas, queorganiza filmes em condições ideais, até mesmo recebendo obrasde outros Estados, como o Rio, e a biblioteca, um incentivo àpesquisa", diz a presidente da Associação Amigos da Cinemateca,Cosette Alves. A programação é extensa, uma maratona de filmes edebates. Para a abertura, na quarta-feira, às 19 horas, ofilme escolhido foi Gimba - O Presidente dos Valentes, umaadaptação de Flávio Rangel para a peça de GianfrancescoGuarnieri. Após a exibição, uma palestra sobre Paulo Emilio coma presença de Lygia Fagundes Telles e José Inácio de Melo eSouza. Na mostra de cinema, filmes de diretores como Jean Vigo,Orson Welles, Humberto Mauro, Glauber Rocha e Arnaldo Jabor.Fora a palestra de abertura, outras 11 estão previstas com apresença de intelectuais como Antonio Candido, Jean-ClaudeBernadet, Ismail Xavier e, ainda, cineastas como Paulo CesarSaraceni, Nelson Pereira dos Santos e Gustavo Dahl.Serviço - A Atualidade de Paulo Emilio. Quarta, às 21 horas,´Paulo Emilio´/96, curta de Ricardo Dias, e ´Gimba: O Presidentede Valentes´/63, de Flávio Rangel. Quinta, às 18h30, ´O BeloAntônio´/60, de Mauro Bolognini; quinta, às 20h30, ´Curtas deMiélès´ e ´Rio, 40 Graus/55, de Nelson Pereira dos Santos. Sexta às 16 horas, ´Raskolnikov´/23, de Robert Wiene; sexta, às 20h30 ´Zéro de Conduite´/33, de Jean Vigo, e ´L´Atalante´/34, de JeanVigo. Sábado, às 14 horas, Documentário de Cinema MudoBrasileiro - ´O Circo´/28, de Charles Chaplin; sábado, às 20horas, ´Cidadão Kane´/41, de Orson Welles. Domingo, às 14 horas,´Tem Coca-Cola no Vatapá´, de Pedro Farkas e Rogério Corrêa, e´Hiroshima, Meu Amor´/59, de Alain Resnais; domingo, às 16h30,´Osso, Amor e Papagaios´/57, de Carlos Alberto de Souza Barros eCésar Mêmolo Jr.; domingo, às 20 horas, ´Nitrato´/61, de AlainFresnot, e ´A Grande Feira´/61, de Roberto Pires. De quarta adomingo. R$ 2,00. Sala Cinemateca. Largo Senador Raul Cardoso,207, São Paulo, tel. 5084-2177. Até 15/9. Terça, aberturasomente para convidados

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.