Cinemateca exibe filmes inéditos no circuito comercial

A Sala Cinemateca promove, a partir de hoje, em parceria com o Istituto Internazionale per il Cinema e l´Audiovisivo dei Paesi Latini, a mostra Vitrine da Produção Européia 2004, com sete longas-metragens e um curta produzidos na Europa em 2004 e ainda inéditos no circuito comercial. São eles: Caro Vittorio, de Marco Risi; Como Estragamos o Cinema Italiano, de Daniele Ciprì e Franco Maresco; Confituur, de Lieven Debrauwer; A Costa dos Murmúrios, de Margarida Cardoso; O Pesadelo de Darwin, de Hubert Sauper; Laços, de Aymeric Mesajuan, A Mulher de Gilles, de Frédéric Fonteyne, e Música Cubana, de German Kral. São filmes da Itália, Bélgica, França, Portugal, fora co-produções entre vários países, como é o caso de Música Cubana, feito pela Alemanha, Cuba e Japão. Música Cubana trata do veterano músico Pio Leiva, que acaba fazendo uma turnê pelo Japão. O filme é todo decalcado no já antológico Buena Vista Social Club, de Wim Wenders. É, assim, um documentário que se traveste de ficção e tenta mostrar como a renovação da música caribenha se deu como um desdobramento da tradição e não como ruptura. Outro documentário que vale a pena ser conferido nessa mostra é o estranho O Pesadelo de Darwin, mostrado numa paralela do Festival de Veneza do ano passado. Trata-se da história de um desastre ecológico no lago Victória, no coração da África. Nos anos 60, a título de experiência, foi introduzida no lago uma variedade do peixe Nile Perch, predador dos mais vorazes. A tal ponto que em poucos anos ele praticamente extinguiu as outras variedades da fauna do Victória, considerado o maior lago do mundo. Desequilibrou por completo o ecossistema. Mas também deu origem a uma próspera indústria pesqueira às margens do lago. Ele dá sustento a cerca de 2 milhões de pessoas que vivem em suas margens, mas, em volta dele, o que também se vê é fome, miséria e gente morrendo de aids.A destacar, ainda, os dois títulos que vêm da Itália. O curta Caro Vittorio é parte de um projeto mais ambicioso sobre o grande ator Vittorio Gassmann. Mas a morte do ator impediu a realização do longa-metragem originalmente projetado pelo diretor Marco Risi, filho de Dino Risi. O segundo, Como Estragamos o Cinema Italiano, é um título irônico para o docudrama sobre os engraçadíssimos Franco Franchi e Ciccio Ingrazia, a dupla de comediantes mais famosa do cinema italiano. O filme recria o ambiente da comédia italiana dos anos 40 e 50, que buscava como fonte de inspiração o teatro burlesco e a Commedia dell´arte. Fazia rir, mesmo em meio à miséria da 2.ª Guerra Mundial.Vitrine da Produção Européia 2004 - Sala Cinemateca (110 lug.). Lgo. Sen. Raul Cardoso, 207, 5084-2177 (ramal 210). 5.ª a dom. R$ 8. Até 1.º/5. A programação completa pode ser vista no site da Cinemateca

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.