Cinemateca exibe filme iraniano <i>Ilha de Ferro</i>

Um navio desativado transforma-se em uma cidade: ali, próximo à costa iraniana, pessoas moram, cultivam plantas, criam animais e diariamente enviam seus filhos para uma sala, improvisada como escola. Se desponta como uma comédia inusitada, o filme iraniano Ilha de Ferro, do diretor Mohammad Rasoulof, logo se revela, porém, como uma alegoria política do próprio Irã.Abrigo para famílias sem lar, o petroleiro é comandado com rigor pelo capitão Nemat (nome que faz lembrar ao Capitão Nemo, de Julio Verne) que, como um autêntico prefeito, busca manter a harmonia entre os moradores, controlando tanto o acesso à comida como a relação cordial entre as pessoas.A rotina é quebrada quando ele é desafiado por dois jovens amantes ao mesmo tempo em que aumenta a pressão para o navio ser desalojado, atendendo, assim, aos interesses de especuladores. Para complicar, o petroleiro está lenta, mas gradativamente, afundando.Em uma primeira análise, a história faz lembrar Waterworld, malograda versão dirigida por Kevin Costner, em que um maléfico marinheiro controla uma sociedade dentro de um navio. Ilha de Ferro, no entanto, segue em sentido contrário.Se apresenta algumas pontas que não se fecham, o roteiro do próprio Rasoulof é recheado de boas surpresas. Como apresentar, por exemplo, um ditador que busca, de fato, o bem comum, nem que isso seja pago com a repressão aos desejos individuais. Nemat constantemente se autoproclama como único interessado em salvar a vida daquelas pessoas. Em meio a tantas pessoas, ele se destaca, ao lado do professor, como únicos protagonistas da história.Rasoulof não se preocupa apenas em questionar políticas globais e nacionalistas, como principalmente revela uma visão moderna do cinema iraniano. Apesar de suas deficiências técnicas, o diretor demonstra sua opinião aberta do mundo e uma visão artística marcada por uma imaginação considerável. Ilha de Ferro (2005, 90 min.) - Sala Cinemateca. Largo Senador Raul Cardoso, 207, 5084-2177. Hoje, às 22h10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.