Cinema se rende a Frida Kahlo em 2001

Frida Kahlo vai ser o personagem principal do cinema em 2001. Dois projetos importantes sobre a pintora mexicana começam a ser rodados no ano que vem. Um deles vai ter a também mexicana Salma Hayek no papel principal; o outro vai ser estrelado por Jennifer Lopez, nova-iorquina de origem porto-riquenha. Em comum, os filmes vão ter elencos de peso e o dinheiro de dois grandes estúdios.Hayek, que diz estar realizando um sonho ao poder fazer o papel de Kahlo no cinema, sai na frente e começa a rodar em janeiro a produção da Miramax. Frida Kahlo vai ser filmado por Julie Taymor, a consagrada diretora do hit O Rei Leão na Broadway (seu trabalho de estréia no cinema foi Titus, com Anthony Hopkins e Alan Cumming). Para o trabalho, chegou a ser cogitado o brasileiro Andrucha Waddington, de Eu, Tu, Eles.No elenco do filme, estão confirmadas as participações de Alfred Molina como o muralista (e amante da pintora) Diego Rivera, Ed Norton (namorado de Hayek, como o milionário Nelson Rockefeller) Antonio Banderas (no papel do artista mexicano David Siqueiros, rival de Rivera) e Ashley Judd, como a fotógrafa italiana Tina Modotti. O papel principal seria de Linda Fiorentino, mas a atriz estaria comprometida com outros projetos.A Miramax, conhecida por sua ousadia em Hollywood, não deve deixar de lado o relacionamento gay entre Kahlo, que era bissexual, e Modotti. As cenas de amor entre as duas já são anunciadas como uma das polêmicas principais do filme. Frida Kahlo, cujo roteiro foi escrito por Rodrigo García (filho do escritor Gabriel García Márquez e diretor da produção Coisas Que Você Pode Dizer Apenas Olhando Para Ela), deve chegar aos cinemas vários meses antes de seu concorrente. O projeto, que está em desenvolvimento desde 1997, vai ser baseado no livro A Biography of Frida Kahlo, de Hayden Herrera.The Two Fridas é o título do projeto da United Artists que vai ter produção de Francis Ford Coppola. A direção deve ficar a cargo de Luis Valdez, conhecido por La Bamba. Ele tem tentado tirar o projeto do papel desde 1991. Alguns anos atrás, um acordo com o estúdio New Line Cinema foi por água abaixo depois de vários protestos pela escolha da atriz não-latina Laura San Giacomo (do seriado de TV Just Shoot Me) para o papel de Kahlo. Outra polêmica foi o nome de Madonna, cogitado para o papel de Modotti.A princípio, não há receio de Coppola de que o filme chegue aos cinemas depois de Frida Kahlo, apesar da tendência de fracasso de bilheteria para uma produção que chega às telas logo depois de outra sobre o mesmo assunto (vide exemplos como EdTV, depois de O Show de Truman).Para garantir o sucesso da fita, o produtor tem apostado seu cacife na escolha de um elenco de astros e estrelas de Hollywood que sejam fanáticos pelos trabalhos de Kahlo e Modotti. Entre os nomes cogitados, estão os de Richard Gere, Leonardo DiCaprio e, novamente, Madonna. Por enquanto, a única certeza é mesmo a participação de Lopez no papel da pintora.A vida de Kahlo é um prato cheio para qualquer atriz. A artista, que tinha preferência por auto-retratos, casou-se com Rivera e teve um caso com Modotti (entre outros homens e mulheres), conheceu o líder revolucionário Leon Trotsky (papel que ainda não teria sido designado em nenhum dos dois filmes) e quase morreu em um acidente de ônibus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.