Cinema radical de Straub e Huillet é cartaz da Mostra

É o terceiro filme que Jean-Marie Straub e Danièle Huillet adaptam do escritor siciliano Elio Vittorini. Gente da Sicília foi o primeiro, em 1999, seguindo-se Operai, Contadini, em 2001. Agora chega a vez de A Volta do Filho Pródigo, que se baseia em As Mulheres de Messina. Prepare-se para um novo choque. Straub e Danièle não podem ser classificados como diretores franceses nem alemães, embora os primeiros filmes dele, especialmente o excepcional A Crônica de Ana Madalena Bach - o mais belo filme já feito sobre a relação entre cinema e música -, tenha sido produzido na Alemanha, sob a égide do novo cinema alemão que surgiu após o Manifesto de Oberhausen, nos anos 1960. Radicados na Itália, Straub e Danièle encontraram na memória, tal como é referida na escrita de Vittorini, material para filmes que colocam em discussão o próprio conceito do que é cinema.Para Hollywood, é a arte de contar histórias, o que os americanos fazem em escala industrial, ocupando as telas de todo o mundo com as histórias deles. Straub e Danièle fazem outra coisa. Carlos Adriano, o vanguardista diretor de Remanescências, gosta de contar como seu produtor, Bernardo Vorobow, e ele descobriram o endereço de Straub na periferia de Roma e foram bater naquela casa onde encontraram o diretor e sua companheira às voltas com numerosos cães. Uma dupla até certo ponto prosaica, não fossem os filmes deles os mais radicais que você costuma ver na mostra.Apesar das diferenças entre ambos, se existem dois filmes que apresentam algum parentesco, mesmo distante, são o de Marcelo Masagão, 1,99, e A Volta do Filho Pródigo. Ambos provam que é um erro cobrar dramaturgia de filmes conceituais. Explicando seu método, Straub disse, certa vez, que seu objetivo é chegar a um estado absolutamente puro de cinema, esvaziando os planos de qualquer intenção ou vontade de expressão. O mistério do filme só se opera no espectador, como no filme de Masagão, se ele celebrar um compromisso e preencher esse vazio, que obviamente não é tão vazio assim, construindo a sua idéia, a sua história.Esse tipo de abstracionismo pega carona na força da imaginação de Elio Vittorini e na forma como o escritor recupera a memória como reencontro do homem consigo mesmo e afirmação (metafórica) da própria identidade. Cahiers diz que Straub e Danièle não fazem cinema, no cinema tradicional, mas propõem a leitura/escritura cinematográfica da obra de Vittorini. Como em Operai, Contadini, homens falam entre si e para a câmera numa floresta. Aparece uma mulher, como a mãe de Gente da Sicília. O segredo está na colocação da câmera, na luz e na forma como a palavra vira música. A partir daí, A Volta do Filho Pródigo vira metáfora da reconstrução - do indivíduo, da Itália e do mundo, que bem precisa começar de novo.A Volta do Filho Pródigo - Os Humilhados . Drama. Direção de An-Marie Straub e Danièle Huillet. França/2003. Duração: 64 minutos. Hoje, às 22h30, Sala Cinemateca; quarta (29), às 18h50, Espaço Unibanco 1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.