Cinema paulista tem dia histórico

Guarde a data: 17 de setembro. Ainda será lembrada como um marco na história do cinema paulista. Ontem pela manhã, o governador Geraldo Alckmin reuniu-se no Palácio dos Bandeirantes com os vencedores do Kikito no recente Festival de Gramado. São Paulo teve uma presença acachapante no evento. Ganhou nas categorias de curta (Carolina, de Jeferson De) e longas de ficção (De Passagem, de Ricardo Elias) e documentário (À Margem da Imagem, de Evaldo Mocarzel). Ontem, Alckmin usou o café da manhã com artistas - diretores, produtores, atores, roteiristas - para assinar o decreto de criação do Conselho Paulista de Cinema, que sai hoje publicado no Diário Oficial e começa a vigorar imediatamente.Anunciou também outras medidas para beneficiar o cinema no Estado. A Loteria da Cultura, um projeto do ex-governador Mário Covas, começa a funcionar no dia 10 de outubro e deve render, descontados os custos operacionais, cerca de R$ 10 milhões anuais, que serão repassados ao teatro e ao cinema de São Paulo. Os números foram fornecidos pela secretária Cláudia Costin, da Cultura, também presente ao encontro. E há mais: atendendo a uma sugestão dos produtores, o governador vai transformar as estações do metrô de São Paulo, por onde circulam 4 milhões de usuários por dia, em vitrines para divulgar a produção cinematográfica paulista. No próprio encontro, diretores e atores comprometeram-se a contribuir com filmes e outdoors para as duas importantes medidas.Para os integrantes da classe cinematográfica, o dia de ontem não poderia ter sido melhor. De manhã, o governador anunciou suas medidas rumo a uma política pública para o setor. À noite, o secretário Celso Frateschi, da Cultura, e a prefeita Marta Suplicy fizeram outro anúncio, o da Comissão Paulista de Cinema, com o objetivo de definir uma política do município para o setor, em cerimônia realizada no Centro Cultural São Paulo. O conselho criado por Alckmin será consultivo, com o objetivo de prestar assessoria no desenvolvimento de uma política específica para cinema, tratando de questões como formação, produção, distribuição e exibição de curtas e longas-metragens, de ficção ou documentários. Será composto por 12 membros, representantes de secretarias estaduais (Cultura, Educação, Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Turismo) e da sociedade civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.