Cinema Nacional fecha 2000 com happy end

Boa notícia para o cinema brasileiro: o público de filmes nacionais cresceu 42% em 2000. Até a 46ª semana do ano, os títulos made in Brazil foram responsáveis pela venda de 5.806.144 ingressos - contra 4.088.870 bilhetes vendidos no mesmo período em 1999. O responsável pelo crescimento do mercado, o maior dos últimos seis anos, foi O Auto da Compadecida que, graças ao público de 2.082.502 pessoas, acaba de assumir a liderança no ranking dos filmes mais vistos desde a retomada do cinema brasileiro (1995). Ainda que o resultado não inclua a performance das produções nas últimas seis semanas do ano, o aumento não deve ultrapassar 42%. "Os lançamentos nacionais de dezembro de 2000 são semelhantes aos do ano passado. Ou seja, novamente temos Xuxa e Renato Aragão nas telas´´, afirma Paulo Sérgio Almeida, diretor da Filme B, publicação especializada em números do mercado cinematográfico. Como a arrancada no fim do ano é sempre esperada, o diferencial foi o excelente desempenho de O Auto da Compadecida nas bilheterias desde a sua estréia, em setembro. A adaptação cinematográfica da obra de Ariano Suassuna ultrapassou Xuxa Requebra, com 2.074.461 espectadores, tornando-se o número um do ano e da retomada. Em menor escala, com 697.224 ingressos vendidos, Eu Tu Eles também contribuiu com o aquecimento do mercado. Em renda, o crescimento foi ainda maior, de 65%. Até a 46ª semana, os filmes brasileiros arrecadaram R$ 17.453.723 em 1999, subindo para R$ 28.849.082 em 2000. Vale lembrar que, para chegar aos 65%, foi descontado o acréscimo de 16% no preço médio do ingresso no período, passando de R$ 4,26 para R$ 4,97. O aquecimento do mercado nacional é ainda mais significativo quando comparado ao crescimento modesto de público e de renda do conjunto de filmes estrangeiros no mesmo período - 3% e 7%, respectivamente. "E o mercado nacional pode crescer ainda mais", diz Almeida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.