Cinema mostrará mais uma vez a vida de Che Guevara

A vida de Ernesto Che Guevara voltará a invadir as telonas, desta vez em dois filmes dirigidos por Steven Soderbergh, com Benicio del Toro no papel do lendário revolucionário. Segundo publicou nesta quarta-feira a revista Variety, trata-se de uma co-produção franco-espanhola rodada principalmente em espanhol no México e em outras regiões da América Latina. Além do porto-riquenho Del Toro, no elenco dos longas estão o espanhol Javier Bardem, a alemã Franka Potente, a britânica Julia Ormond e o californiano de origem peruana Benjamin Bratt. Os dois filmes retomarão a história da vida do revolucionário argentino morto nas selvas bolivianas do ponto em que termina o filme Diários de Motocicleta. O filme de 2004 de Walter Salles, com Gael García Bernal no papel de Che, se centrou na juventude do herói guerrilheiro. História dos dois filmes O primeiro dos filmes de Sorderbergh, intitulado The Argentine (ainda sem título em português), parte da chegada de Guevara e outros exilados, entre eles o atual dirigente cubano Fidel Castro, ao litoral de Cuba em 1956 para derrubar o regime de Fulgencio Batista. Guerrilla (também sem título em português), o segundo filme, começará com o discurso que Guevara fez nas Nações Unidas em 1964. O projeto cinematográfico começou em 2000, durante a produção de Traffic, filme em que Soderbergh e Del Toro trabalharam juntos e que lhes rendeu o Oscar de melhor diretor e melhor ator coadjuvante, respectivamente. No entanto, o processo foi adiado pela estréia de Diários de Motocicleta e pela desistência de Terrence Malick de dirigir o projeto que Soderbergh queria produzir com Del Toro como protagonista. Mesmo assim, tanto Soderbergh como Del Toro manifestaram o tempo todo seu desejo de continuar a produção e se mostraram confiantes no interesse do público em novos projetos sobre o lendário líder latino-americano. Partes envolvidas no projeto Soderbergh já começou a rodar e espera-se que a filmagem no México comece em maio do ano que vem. Del Toro também é responsável pela tradução para o espanhol dos roteiros dos filmes, assinados por Peter Buchman. A produção de US$ 70 milhões conta com o grupo francês Wild Bunch como principal fonte de financiamento. A produtora Morena Films e a cadeia Telecinco, ambas espanholas, negociam a participação como sócios minoritários na produção, segundo a Variety.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.