Divulgação
Divulgação

Cinema latino ganha espaço em mostras paralelas do Festival de Veneza

'O Afinador', filme do brasileiro Fernando Camargo, concorre ao prêmio de melhor curta-metragem

EFE

26 de julho de 2012 | 13h55

Seis produções latino-americanas, incluindo o brasileiro O Afinador, ganham destaque dentro das seções paralelas da 69º edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza, que será realizada de 29 de agosto até 8 de setembro.

A seção Horizontes, que conta com seus próprios prêmios e júri e cujo cartaz foi apresentado nesta quinta-feira em Roma, é a que monopoliza o maior número de produções latino-americanas, quatro no total, sendo que apenas uma é um longa e disputa o prêmio de Melhor Filme desta mostra.

Trata-se de Leones, uma produção entre Argentina, França e Holanda dirigida pelo cineasta Jasmim López e que traz Julia Volpato, Pablo Sigal, Macarena del Corro, Diego Vegezzi e Tomás Mackinlay no elenco.

Já em relação ao prêmio de Melhor Curta-metragem, a lista de produções latino-americanas na seção Horizontes, que reúne as produções cinematográficas de formatos inovadores, destaca o brasileiro O Afinador, de Fernando Camargo e Matheus Parizi, com Lui Seixas, Norival Rizzo e Sandra Corveloni (atriz premiada em Cannes em 2008) no elenco.

O curta mexicano Las Manos Limpias, de Carlos Armella e protagonizada por Sonia Couoh e Francisco Godínez, e o paraguaio Resistente, de Renate Costa e Salla Sorri, também estão nesta lista.

Fora da competição, mas dentro das projeções especiais, será apresentado o documentário franco-argentino El impenetrable, de Daniele Incalcaterra e Fausta Quattrini, enquanto a seção Clássicos de Veneza exibirá o documentário mexicano Olhares Múltiplos, de Emilio Maillé.

Além das seções paralelas diretamente administradas pela organização do Festival de Veneza, outras produções participam da mostra dentro da chamada Semana Internacional da Crítica e das Jornadas de Autor, as quais abrem espaços para artistas menos conhecidos.

Desta forma, o filme mexicano No Quiero Dormir Sola, de Natalia Beristain, competirá dentro da Semana Internacional da Crítica, enquanto a produção da Itália, Argentina e Paraguai Muta, de Lucrecia Martel, será exibida nas Jornadas de Autor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.