Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

Cinema ibero-americano cresceu 22,5% em um ano, diz levantamento

Panorama Audiovisual Ibero-americano apontou crescimento e arrecadação de US$ 3 bilhões

Redação, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2019 | 09h54

O cinema ibero-americano teve um crescimento de 16,9 milhões de espectadores em 2018, comparado aos números de 2017. É uma elevação de 22,5% em apenas um ano, segundo o informe anual da Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Audivisuais da Espanha (EGEDA), sobre o Panorama Audiovisual Ibero-americano, divulgado nesta terça-feira, 25

Ainda segundo o informe, o conteúdo ficcional se consolidou nas redes de TV, ocupando 26,1% da programação. Este informe conta com a colaboração da FIPCA (Federação Ibero-americana de produtores cinematográficos e audiovisuais).

O estudo aponta o número de salas na Ibero-América em 2018: 19.700. O peso mundial do público ibero-americano se mantém em torno de 11%. Essas salas estrearam mais de 6 mil produções, das quais 22,8% foram nacionais.

Foram, em 2018, 870 milhões de entradas vendidas e mais de US$ 3 bilhões arrecadados.

O cinema ibero-americano além de suas fronteiras

O cinema ibero-americano manteve sua posição nos principais mercados europeus vendendo 7,7 milhões de entradas em 2018. Os oito mercados analisados foram: Alemanha, Áustria, França, Itália, Holanda, Reino Unido, Rússia e Turquia. Das 182 estreias contabilizadas neste nove mercados, os filmes com maior presença são: O Homem que Matou D. Quixote (sete mercados), a coprodução brasileira Me Chame pelo Seu Nome (seis mercados) e Escobar – A Traição (cinco mercados).

Os países europeus com o maior número de consumidores de filmes ibero-americanos foram França, Itália e Holanda.

TV

Segundo o levantamento, que analisou 74 canais de TV entre 2010 e 2017, a ficção teve um grande impacto na programação, com 26,1% do tempo total de emissão nas regiões. A telenovela segue sendo o gênero mais consumido na Ibero-América, com quase 58% do total de títulos do período, com muita vantagem sobre as séries convencionais, que registraram 25%.

México, Brasil e Colômbia continuam sendo os maiores produtores deste conteúdo.

Em 2017, oito novelas foram as top-1  em seus países de origem: Brasil (A Força do Querer), Chile (Perdona nuestros pecados), Colômbia (Tarde lo conocí), Espanha (Alli abajo), México (Hoy voy a cambiar), Peru (VBQ: Todo por la fama), Portugal (A herdeira) e Venezuela (Para verte mejor).

Tudo o que sabemos sobre:
cinematelenovelasérie e seriado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.