Cinema e futebol no Festival de Sevilha

Pelé, Garrincha, Puskas, mongesbudistas e líderes palestinos. Essas serão algumas dasprincipais estrelas do Festival de Cinema de Sevilha, na Espanhaque começou hoje e tem como proposta provar que o futebol é umdos fenômenos mais fortes da globalização. O festival tem comoobjetivo mostrar que a arte do futebol está disseminada por todoo mundo e é jogado por todas as classes sociais, diz um dosorganizadores do evento. Entre as maiores atrações do festival estão três filmesbrasileiro: Isto É Pelé, de 1975, Garrincha, Alegria doPovo, de 1962, e Subterrâneos do Futebol. Pelé ainda seráhomenageado pelos organizadores do evento pelo seu papel emdifundir esse esporte. Para provar que o futebol é um fenômeno mundial, ofestival vai apresentar cerca de cem filmes de mais de 30países. Um deles é o documentário Between Palestine andIsrael, do produtor judeu Itzik Lerner, que conta a formaçãoda equipe nacional da Palestina, em 1999. Lerner mostra que aformação de um time de um país que sequer é reconhecidointernacionalmente representou uma vitória política fundamentalpara o povo palestino. Outro documentário que promete atrair a atenção demuitos é a produção da Birmânia sobre a primeira vez que mongesbudistas tiveram a oportunidade de ver uma partida de futebolpela televisão. Tratava-se da final da Copa da França, de 1998,entre Brasil e França. Nem toda a concentração dos monges, porém ajudou que a sua equipe preferida, o Brasil, saísse campeão. O Festival ainda quer mostrar a estética do esporte.Para isso, vai exibir o longa-metragem O Enigma do Estádio deArsenal, de 1939, do diretor Thorold Dickinson. A obra éconsiderada a melhor produção cinematográfica já realizada sobreo futebol. Two Half-Times in Hell, filme húgaro de 1962,também será outro destaque. No encerramento do Festival, no dia10, os organizadores espanhóis escolherão o melhor filme sobrefutebol, que receberá 10 mil euros, cerca de R$ 35 mil. Protestos - A cineasta alemã Leni Riefenstahl, adiretora preferida de Hitler, foi obrigada a abandonar oFestival de Sevilla hoje, por causa de protestos da organizaçãocigana União Romana. O carro da diretora foi rodeado pormanifestantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.