Cinema brasileiro recua nas bilheterias

A chamada retomada do cinema nacional na última década pisou no freio este ano. O panorama, pelo menos na bilheteria, dos filmes brasileiros em 2002 é desanimador se comparado aos resultados do ano passado. Enquanto, em 2001, Tainá levou mais de 800 mil pessoas ao cinema, Bicho de Sete Cabeças encostou em 600 mil, e A Partilha contabilizou quase um milhão, até o último fim de semana o badalado Abril Despedaçado, de Walter Salles, ainda não tinha chegado a 300 mil espectadores.Avassaladoras, de Mara Mourão, e com elenco global, também decepcionou, e está fora de cartaz. Mesmo o filme de Beto Brant, O Invasor, saudado pela crítica, está custando a encostar nos 100 mil espectadores.A esperança de produtores, atores e diretores é com relação aos "queridinhos" do Festival de Cannes: Madame Satã e Cidade de Deus, que entra em cartaz ainda este mês. Duas outras produções também estão cercadas de expetativas para levar o público para as salas: Deus É Brasileiro, de Cacá Diegues, e A Paixão de Jacobina, de Fábio Barreto. Os dois contam com elenco de rostos conhecidos na tevê para atrair o público e contam levar mais de 500 mil pessoas aos cinemas cada um.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.