Cinéfilos ganham site para agendar sessões pelo Brasil

Um site de relacionamentos paracinéfilos, que tem parceria com uma grande distribuidora deconteúdo digital, promete resgatar o clima de cineclube parainternautas, agendando salas de cinema para sessões de filmesraros ou fora de cartaz. A MovieMobz, que lançou na segunda-feira seu site(www.moviemobz.com), tem um catálogo de 200 filmes digitais euma rede de 159 salas de cinema espalhadas por 18 cidadesbrasileiras, em parceria com a distribuidora brasileira Rain. O site funciona como o Orkut ou MySpace. Os visitantes têmacesso às fichas dos filmes, com sinopses, trailers e críticasde outros usuários, além de poder contactar amigos e criarcomunidades, chamadas de "Movieclubs". As pessoas cadastradas podem participar da "mobilização",ou seja, fazer com que determinado filme seja exibido no cinemade sua cidade ou bairro. A quantidade mínima de pessoas para asessão acontecer depende do tamanho da sala e do horário, quetambém vão determinar o preço do ingresso. Por atrás dessa novidade estão os dois sócios-fundadores daRain, José Eduardo Ferrão e Fabio Lima, atual diretor-executivoda MovieMobz, e o veterano distribuidor Marco AurélioMarcondes, diretor-geral da nova empresa. "Uma mobilização pode ser de 10, 15 pessoas ou até 300pessoas", explicou Fábio na festa de lançamento na noite desegunda-feira. "E pode interferir no preço do ingresso, quantomais gente, menor o preço." Como o site foi lançado na segunda-feira, ainda não hánenhum filme "mobilizado", agendado para uma sessão. Osdiretores não souberam informar quanto tempo um agendamentopode demorar a ser feito, já que depende da procura dosusuários e da disponibilidade das salas. Porém, no Rio de Janeiro, maior praça com 16 cinemascadastrados, há 63 filmes "em mobilização". "Uma Mulher ContraHitler", por exemplo, já tem 10 usuários dispostos a vê-lo noEstação Vivo Gávea, embora os direitos do filme ainda estejamem negociação para projeção digital. O site/distribuidora MovieMobz também possibilita quecidades fora do grande circuito de cinema recebam filmesatualmente em cartaz em outras regiões, fazendo com queproduções independentes tenham um maior alcance, se houverdemanda. "É uma coisa inédita no Brasil e no mundo. É cinema sobdemanda", afirmou Marco Aurélio, entusiasta dos cineclubesdesde os anos 1970. Ele completou que a empresa espera levar o MovieMobz parapaíses da América Latina e Estados Unidos, onde a Rain possuisalas de cinema com projeção digital. O acervo da MovieMobz é composto por filmes nacionais einternacionais, a maioria produções independentes, com destaquepara filmes de arte e clássicos. A empresa espera elevar seucatálogo de filmes para 600 até o final do ano.

FERNANDA EZABELLA, REUTERS

08 de julho de 2008 | 13h34

Tudo o que sabemos sobre:
FILME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.