Ansa
Ansa

Cineasta italiano Fausto Brizzi é denunciado por assédio sexual

Diretor negou todas as acusações

AFP

13 de novembro de 2017 | 18h46

Ao menos 10 mulheres denunciaram o produtor e diretor de cinema Fausto Brizzi por assédio sexual. Ele negou todas as acusações nesta segunda-feira, 13.

O cineasta italiano, prestes a completar 49 anos, se soma à lista de personalidades do cinema suspeitas de agressão sexual desde que, nos Estados Unidos, o produtor Harvey Weinstein foi acusado por mais de 100 atrizes e ex-funcionárias de assédio, agressão sexual e estupro.

+++ Hollywood critica pedido de desculpas de Kevin Spacey

No entanto, cerca de 10 mulheres - entre elas duas jovens que mostraram o rosto e dera seu nome - acusaram Brizzi em declarações ao programa de televisão Le Iene de se aproveitar de seu poder para tocá-las, acariciá-las e propor testes de câmera ousados, nos quais aparecia nu.

O jornalista que entrou em contato com as jovens, Dino Giarrusso, disse que a redação do programa recebeu dezenas de e-mails de atrizes que acusam Brizzi.

+++ Denúncia de abusos de mais de 500 atrizes choca a Suécia

"Nós não vamos parar em apenas uma pessoa, não teria sentido, os personagens envolvidos são muito mais do que um", adiantou Giarrusso.

De acordo com os depoimentos, todas as jovens, que não se conheciam, contam que foram convidadas ao escritório de Brizzi, um loft amplo com cama, onde sofreram as agressões sexuais.

+++ The Weinstein Co. pode fechar após denúncias de abusos sexuais

Algumas delas, atrizes e modelos, contaram que mostraram resistência. Já outra confessou que a situação a confundiu tanto que no fim aceitou manter relações, "se envergonhando muito depois".

O diretor de cinema italiano Dario Argento contou em um programa que sua filha, a atriz Asia Argento, que está entre as que denunciaram Weinstein, hoje em dia "tem medo e não sai mais de casa porque teme por sua vida".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.