Cineasta faz documentário em região devastada por terremoto

Entre os temas, a produção questiona onde estariam os 30 extracomunitários aparentemente desaparecidos

08 de abril de 2009 | 16h45

O ator e diretor italiano Michele Placido está na região atingida pelo terremoto da última segunda-feira, 6, entre L'Aquila e as outras localidades mais afetadas, para rodar um documentário sobre a tragédia que deixou mais de 260 mortos.

 

Veja também:

linkMadonna doa dinheiro para vítimas do terremoto da Itália

linkMortes após terremoto na Itália já passam dos 270

linkPerda de patrimônio cultural amplia catástrofe em Áquila 

email Está na Itália? Envie seu relato

mais imagens Fotos: Veja as imagens

video TV Estadão: Vídeo mostra a destruição em Áquila

 

"Concentrei minha atenção nos cidadãos extracomunitários vítimas do terremoto e acabei de circular entre os escombros e entrevistar um macedônio da comunidade sediada há anos em Onna e nas localidades vizinhas", explica o diretor.

 

"Ele perdeu em um dos desabamentos uma filha nascida na Itália e, apesar da dor, não parou nem um minuto e se dedicou sem medir esforços para retirar outros dos escombros: um verdadeiro herói dessas jornadas", continuou.

 

Placido está filmando rodeado por várias pessoas, "evidentemente atraídas pelo conhecido rosto", que procuram conforto e "ficam mais felizes com um contato físico, um abraço, um tapa nas costas, do que com palavras e promessas".

 

O diretor afirma que depois dos funerais, que acontecerão na próxima sexta-feira, pretende organizar com músicos e atores um sarau nas barracas montadas para os desabrigados.

 

O documentário também questiona onde estariam os 30 extracomunitários aparentemente desaparecidos, mas que, segundo seus amigos, já teriam partido logo após o desastre para a região da Úmbria e para o litoral da Emilia Romagna, onde tem amigos e parentes.

 

O primeiro filme de Michele Placido como diretor, Pummarò, relatava o problema dos extracomunitários e foi apresentado no Festival de Cannes em 1990, com bons resultados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.