Diretora Chantal Akerman, no festival de cinema de Veneza, em 2011. Foto: REUTERS/Alessandro Garofalo
Diretora Chantal Akerman, no festival de cinema de Veneza, em 2011. Foto: REUTERS/Alessandro Garofalo

Cineasta belga Chantal Akerman morre aos 65 anos

Seu filme mais recente, 'No Home Movie', dedicado a sua mãe, uma sobrevivente dos campos de concentração nazistas, foi exibido este ano no Festival de Locarno

AFP

06 de outubro de 2015 | 10h52

A diretora de cinema belga Chantal Akerman morreu nesta segunda-feira, 5, em Paris, aos 65 anos, anunciou seu produtor, sem revelar a causa da morte. A cineasta, que sofria de transtornos maníaco-depressivos, iniciou a carreira no fim dos anos 1960.

Entre seus principais filmes estão Jeanne Dielman, 23, Quai du Commerce, 1080 Bruxelles (1975) e La captive (2000).

Seu filme mais recente, No Home Movie, dedicado a sua mãe, uma sobrevivente dos campos de concentração nazistas, foi exibido este ano no Festival de Locarno (Suíça).

"Era uma grande cineasta que, por sua singularidade, renovou algumas facetas do cinema internacional", declarou o produtor Patrick Quinet.

Chantal Akerman, descendente de uma família judaica da Europa central, que se mudou para a Bélgica nos anos 1930, dirigiu quase 50 filmes, de documentários até comédias. Em sua obra abordou como grandes temas o tempo e a memória.

Tudo o que sabemos sobre:
Chantal AkermanCinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.