Cineasta alemão retrata a Índia em <i>Sombras do Passado</i>

Vem de longe o fascínio dos cineastas alemães pela Índia. Em 1958, Fritz Lang, de retorno à Alemanha, após sua carreira americana, fez O Tigre da Índia lançado internacionalmente como um só filme, embora, na verdade, fosse a versão reduzida de outros dois - O Tigre de Eschanapur e O Sepulcro Indiano. Bastariam a beleza de Debra Paget, a cena da dança e a herança expressionista das imagens (e personagens) nos subterrâneos para tornar o programa digno de nota. Surge agora Sombras do Passado. O cinema alemão volta à Índia, mas a herança agora não é mais o expressionismo de Lang e sim, o estilo popular de narrativa celebrado por Bollywood.Você, se for cinéfilo, pode até não ter visto muitos filmes de Bollywood, mas com certeza sabe o que é. A Índia desenvolveu uma poderosa cinematografia, à base de gêneros populares e um star system local, com astros e estrelas pouco conhecidos fora do país, que é, ele próprio, continental, com diversas etnias (e diversos dialetos). Bollywood virou hoje uma alternativa a Hollywood, embora, no fundo, sejam a mesma coisa. Ou seja - representam o mesmo estilo industrial de fazer cinema, apenas com caras e vozes diferentes.Florian Gallenberger, que dirige Sombras do Passado, é um jovem diretor alemão de 34 anos (nasceu em Munique, em 1972). Foi ator mirim de TV, estudou Filosofia, Psicologia e Cinema e, em 2001, recebeu o Oscar de curta-metragem por seu filme de graduação no Munich College of Television and Film, Quiero Ser (assim mesmo, em espanhol). Gallenberger deve ter ficado muito impressionado pelos filmes de Bollywood para querer fazer um deles.Com equipe alemã (o fotógrafo Jürgen Jürges, o montador Hansjõrg Weissbrich e o músico Gert Wilden Jr.), mais elenco e paisagens indianos, ele conta a história de Ravi e Masha, que poderia muito bem ter sido extraída de um velho melodrama de Douglas Sirk (exceto pelo fato de que o filme de Sirk seria, ainda hoje, mais moderno, talvez). A dupla se conhece desde criança, fabricando tapetes para uma loja de Calcutá. O trabalho é escravo, mas ambos se amam e Ravi junta todo o dinheiro que pode para escapar com Masha ao regime de verdadeira escravidão em que vivem. Ao saber que ela será vendida como escrava branca, Ravi usa seu dinheiro para comprar a liberdade da moça. Ela promete esperá-lo pelo tempo que for preciso, mas, como a Catherine Deneuve de Os Guarda-Chuvas do Amor, que também cantava Je Vous Attendrai Toujours e não esperava, a vida dá reviravoltas e o amor não se concretizará como o esperado. Suntuosamente filmado, este é um filme para chorar. Veja, mas leve um bom suprimento de lenços. Sombras do Passado (Shadows of Time, Alemanha/2004, 122 min.) - Drama. Dir. Florian Gallenberger. 14 anos. Espaço Unibanco 2 - 14 h, 16h30, 19 h, 21h30. Reserva Cultural 1 - 14 h, 16h30, 19 h, 21h30 (sáb. também 23h50). Cotação: Regular

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.