Cine Olido reabre hoje em SP

Inaugurado em 1957, o Olido foi o primeiro cinema construído dentro de uma galeria comercial. Além do luxo das instalações (grossos tapetes, poltronas de couro, cortinas de veludo e ante-sala com paredes de mármore), trazia uma novidade para a época: ingressos numerados e vendidos com antecedência. Havia sessões em que uma orquestra executava música erudita antes do filme. Era a sala mais cara da cidade e não vendia meia-entrada a estudantes. A partir de hoje, às 19h30, o Cine Olido será reaberto privilegiando o cinema nacional em sua programação. Nesta primeira noite, será exibido o longa A Grande Noitada, último filme de Denoy de Oliveira e o curta Viver a Vida, de Tata Amaral, em sessão que contará com a presença de cineastas, familiares e amigos do diretor, que morreu em 1998. A abertura da sala marca também o término da reforma da Galeria Olido, transformada agora em centro cultural. Com as portas abertas, o Olido vai exibir uma sessão por dia (de terça a sábado às 19h30, domingos às 17h), com novas programações a cada semana - na próxima, por exemplo, estão previstos o curta PR Kadeia, de Eduardo Caron, e o longa O Corpo, de José Antônio Garcia. Até 22 de outubro, o Olido vai apresentar obras da cinematografia paulista e, no fim do mês, haverá sessões especiais de documentários (quartas e quintas), ciclo Mazzaropi aos sábados e sessões infantis nos domingos à tarde. A sala, patrocinada pelo Banco Santander, tem ar-condicionado, som dolby digital e 240 lugares numerados, permitindo a escolha do lugar com antecedência. Cine Olido - Galeria Olido - Avenida São João, 473, Centro, 3334-0001. Terça a sábado, 19h30, domingo, 17 horas. R$ 4

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.