Cidade natal de Leonardo da Vinci está dividida

Vinci, a cidade de natal de Leonardo da Vinci, se prepara para receber em suas salas de cinema a versão cinematográfica do polêmico romance de Dan Brown, O Código da Vinci. O prefeito aguarda ansiosamente, o pároco local condena a obra e os estudiosos locais estão indecisos entre condená-lo ou exaltá-lo.O prefeito Dario Parrini agradece ao escritor norte-americano pela publicidade involuntária de sua cidade e declara que será um dos primeiros a correr para o cinema no dia da estréia, sexta-feira, 19 de maio."Chegamos a convidar Brown para visitar Vinci", explicou Parrini, acrescentando que nunca obteve uma resposta do escritor.No entanto, o prefeito de Vinci sonha em reunir em sua cidade o escritor norte-americano e o semiólogo Umberto Eco, para um confronto sobre religião e história."Ainda é um sonho, mas seria extraordinário fazer um confronto entre duas obras como ´O Código da Vinci e O Nome da Rosa", de Umberto Eco, afirmou Parrini.Nem todos pensam como o prefeito e há quem acuse Dan Brown de ter explorado a memória do artista e, pior ainda, de ter confundido os jovens sobre a história do cristianismo. "O livro é um grande negócio. Tive de lê-lo para participar de um evento, mas não o comprei", afirma Don Renato Bellini, pároco em Vinci.Bellini acrescenta que não irá aos cinemas, assim como o diretor do museu e da biblioteca de Leonardo da Vinci, Romano Nanni.Nanni afirma que "não se trata de um livro de história, mas de um romance, uma obra de fantasia, e deve ser tratada como tal. Dificilmente irei ao cinema".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.