Ciclo resgata filmes sobre a máfia japonesa

A partir de hoje o Centro Cultural São Paulo promove o ciclo Kinji Fukasaku e a Máfia Japonesa, formado por cinco títulos dos anos 1960 e 70. Fukasaku foi um dos ídolos de Quentin Tarantino, que batalhou para que ele se tornasse conhecido do público americano, além de havê-lo homenageado em Kill Bill, com o ator Sonny Chiba. Na entrevista que deu ao Estado, Chiba, o samurai mais conhecido da TV japonesa, disse que o Sr. Fukasaku teria adorado as cenas de espada de Kill Bill. Ele não chegou a vê-las. Morreu no começo do ano passado, aos 73 anos. Fukasaku nasceu em 1930, o que significa que tinha 15 anos quando o Japão assinou o tratado de rendição que pôs fim à 2.ª Grande Guerra, após a destruição das cidades de Hiroshima e Nagasaki pela bomba atômica. O próprio Fukasaku considerava sua sobrevivência, como garoto, nos duros anos da guerra, a experiência decisiva de vida que moldou o homem (e o diretor) em que ele se transformou. Fukasaku insistia que seus filmes de gângsteres baseavam-se em suas observações daquela época. Chegava a dizer que seria falso tentar transferi-los para o presente. Seus conceitos eram simples e diretos - "Filmes de ação sempre precisam dar um sentido à luta do herói. Ele tem de derrotar e matar os bad guys, não há como fugir a isso. O bem derrota o mal. O herói precisa decidir como vai lutar e contra quem. Sua vida e morte serão sempre construídas sobre temas como coragem e honra." Fukasaku dirigiu mais de 60 filmes ao longo de cinco décadas. O ciclo recupera Greed in Broad Daylight, de 1961; Simphaty for the Underdog, de 1971; Street Mobster, de 1971; Yakuza Graveyard, de 1976; e Cops Vs. Thugs, de 1975.Kinji Fukusaku e a Máfia Japonesa - Hoje e quinta, 16h, Cops vs Thugs (1975); Hoje, 18h, amanhã, 20h, Sympathy for the Underdog (1971); hoje, 20h, amanhã, 18h, Greed in Broad Daylight (1961). Quarta, 16h, quinta, 20h, Street Mobster (1971). Quinta, 18h, Yakuza Graveyard (1976). Centro Cultural São Paulo - Sala Lima Barreto (110 lug.). R. Vergueiro, 1.000, 3277-3611. Grátis - retirar ingressos uma hora antes da sessão. Até 5/12

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.