Ciclo lembra os 50 anos de "O Cangaceiro"

O Centro Cultural São Paulo inicia hoje uma programação especial em homenagem aos 50 anos de O Cangaceiro, de Lima Barreto. A premiada produção da Vera Cruz (35 troféus, incluindo o prêmio especial do Festival de Cannes de 1953) só passa no dia 22, às 20 horas, mas até lá ocorrem debates e exibições de obras importantes do cinema paulista dos anos 1950, a partir de hoje. Entre os filmes em cartaz, estão O Comprador de Fazendas, Caiçara, Candinho, O Canto do Mar, Sinhá Moça, Estranho Encontro, Na Senda do Crime, Mãos Sangrentas e Casei-me com Um Xavante.O filme de Lima Barreto narra a disputa entre dois cangaceiros (Alberto Ruschel e Milton Ribeiro) por causa de uma professora raptada (Aurora Duarte). "Feita com sangue e nervos", na definição de Francisco Luiz de Almeida Sales, que presidiu a Cinemateca Brasileira, O Cangaceiro é parte fundamental da identidade do cinema nacional. Seu diretor, contudo, foi sempre hostilizado pela crítica de esquerda. Primeiro por ter filmado na Vera Cruz, tachada como expressão da burguesia paulista. Segundo por ter localizado seu sertão nordestino no interior de São Paulo. Considerado irascível e megalômano, Lima Barreto morreu pobre e esquecido, em 1982, no Lar dos Velhinhos de Campinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.