Ciclo exibe filmes inéditos portugueses

Um inédito de João César Monteiro e outro de João Botelho, autores revelados na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, são destaques de um ciclo de cinema português que a Cinemateca, em São Paulo, exibe desta quarta-feira até 5 de maio.A mostra, chamada de Ciclo de Cinema Português: Uma Celebração do 25 de Abril, traz 10 longas-metragens e 14 curtas produzidos entre 1977 e 2001, alguns de animação, já exibidos no Centro Cultural Banco do Brasil, no ano passado, e este ano em Porto Alegre, Curitiba e Campinas.Essa será a última oportunidade de ver no Brasil o trabalho de autores que o Instituto do Cinema, Audiovisual e Multimédia de Portugal (Icam) inclui na lista dos mais representativos do novo cinema do país, apesar da ausência de Manoel de Oliveira.De João César Monteiro, nascido em 1939, realizador de A Comédia de Deus - filme que fez longa temporada no Cinesesc - e As Bodas de Deus, entre outros, será apresentada mais uma de suas radicalizações, Le Bassin de JW.Monteiro usa o filme, etrelado por Pierre Clementi e Hugues Quester, para carnavalizar Strindberg, Pasolini e Breton ao encenar um jogo encantador de espelhos e identidades.De João Botelho, nascido em 1949, diretor de Tráfico e Tempos Difíceis, entre outros, será exibido Aqui na Terra (Portugal/Reino Unido, de 1993), um poema sobre o lugar da transcendência e do sagrado no cotidiano moderno, sobre a vida que se revela como dádiva grandiosa e não como servidão maldita.A mostra, promovida pelo Instituto Camões, terá ainda o novato Fernando de Matos Silva, com Ao Sul (Portugal, 1993, 118 min.). Após viver 20 anos na Holanda, um veterano da guerra colonial portuguesa volta ao país e vê que tudo está muito mudado.A atriz e diretora Maria de Medeiros (Pulp Fiction, Capitães de Abril) participa de Paraíso Perdido (1992), de Alberto Seixas Santos, desconhecido no Brasil.Ainda entre os autores desconhecidos estão António da Cunha Telles, que apresenta Pandora (Portugal-França, 1995) e Vidas (1984), este tendo no elenco Paulo Branco, produtor dos filmes de Manoel de Oliveira e autores franceses, entre outros. Também serão exibidos Duplo Exílio (2001), de Artur Ribeiro, Os Cornos de Cronos (1991), de José Fonseca e Costa, Caes Raivosos (2000), de Paulo Castro, A Moura Encantada (1982), de Manuel Costa e Silva, e Argoselo ou A Procura dos Restos das Comunidades Judaicas (1977), também de Fernando Matos Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.