Ciclo de filmes mostra a arte de Werner Herzog

Os filmes, para o diretor alemão Werner Herzog, necessitam ter uma execução suada para seremdevidamente valorizados. Foi o que o moveu quando dirigiu Aguirre - A Cólera dos Deuses e, principalmente, Fitzcarraldo, no interior da selva amazônica. O fotógrafo suíço Beat Presser acompanhou Herzog durante anos, registrando seus passos mais difíceis, o que pode ser observado a partir de hoje no Museu da Imagem e do Som, na exposição Werner Herzog - Filmes Devem Ser Físicos.São 50 imagens que Presser captou ao longo das filmagens registrando principalmente os atritos entre o diretor e seu ator fetiche Klaus Kinski. A tumultuada relação que ambos tiveram tornou-se tema de um belo documentário de Herzog, MeuMelhor Inimigo, mas ganham detalhes nas fotos de Presser, que mostram um relacionamento marcado por constantes desentendimentos e trocas de farpas desde o primeiro trabalho conjunto, Aguirre, de 1972.Presser não foi o primeiro a se vislumbrar com a forma messiânica de filmar de Herzog - Les Blank acompanhou a rodagem de Fitzcarraldo, que mostra um homem obcecado pelo sonho de construir um teatro no meio da floresta amazônica e levar aópera de Caruso para as populações locais. Um enorme barco foi construído pela produção e por índios amazônicos, que se assumiram a faraônica missão de levá-lo rio acima, no Amazonas.A câmera atenta de Les Blank acompanhou todos os detalhes, que resultaram no documentário O Peso dos Sonhos, infelizmentefora da programação."A exposição de fotos e a pequena mostra de filmes não são apenas uma retrospectiva, mas também uma prospectiva", comenta Bruno Fischli, diretor do Instituto Goethe São Paulo,que também participa da organização. "Eles convidam a uma reflexão sobre a relação entre civilização e natureza, arte erealidade, sucesso e fracasso."Werner Herzog - Filmes Devem Ser Físicos - Hoje, 19h, Sinais de Vida; 21h, Também os Anões Começaram Pequenos. Amanhã, 19h, Fata Morgana; amanhã, 21h, O País do Silêncio e da Escuridão. Sexta, 19h, Aguirre, Cólera dos Deuses; sexta, 21h, Cada Um por Si e Deus contra Todos e O Enigma de Kaspar Hauser. Sábado, 17h, Coração de Cristal; sábado, 19h, Stroszek; sábado, 21h, Woyzeck. Domingo, 17h, Fitzcarraldo; domingo, 19h, Cobra Verde; domingo, 21h, MeuMelhor Inimigo. MIS - Auditório, Avenida Europa, 158, Jd. Europa, em São Paulo,3062-9197. Quarta a sexta, 19h, 21h; sábado e domingo, 17h, 19h, 21h. Grátis - retirar senha com uma hora de antecedência. Até domingo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.