Chita faz 74 anos como Hollywood gosta, mas sem Tarzã

A macaca Chita, famosa companheira de aventuras de Tarzã, completa hoje 74 anos ao melhor estilo de Hollywood, entre fotógrafos e discursos, mas sem a companhia do homem que lhe deu a fama.O chimpanzé, na verdade um macho, que co-estrelou uma dúzia de filmes de Tarzã nos anos 30 e 40, se aposentou há décadas e vive no seu santuário em Palm Springs (Califórnia), ao lado de vários outros antigos astros de Hollywood.Segundo o Livro Guinness de Recordes, é o chimpanzé mais velho do mundo. O normal para a espécie é viver até os 40 anos, mas em cativeiro muitos chegam aos 60.Um neto de 17 anos, o chimpanzé Jeeter, esteve ao lado de Chita na comemoração, assim como o seu amigo e tratador Dan Westfall. Ele assegurou que os passatempos favoritos do astro são "ver televisão e, é claro, fazer macaquices".A sua última aparição na tela foi em 1967, junto a Rex Harrison, em Dr. Doolitle. Seu fiel companheiro de aventuras nos filmes de Tarzã, o ator Johnny Weissmuller, morreu em 1984.As celebrações do aniversário de Chita incluem uma homenagem no Festival Internacional de Comédia de Peñíscola (Espanha), o primeiro prêmio de sua carreira. Mas a idade avançada impediu a sua viagem.A vida de excessos em Hollywood cobrou seu preço. Chita costumava fumar charutos e beber cerveja, mas agora tem que receber insulina por causa da diabetes e mantém uma dieta de frutas frescas.Mesmo assim, como outras muitas estrelas aposentadas, Chita também encontrou no mundo dos atos beneficentes um prolongamento da carreira. A sua mansão em Palm Springs recebe macacos que não tiveram a mesma sorte no mundo do espetáculo.A casa faz parte da fundação Cheeta, sigla de Habitat Criativo para a Melhora de Símios em Perigo de Extinção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.