Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
REUTERS/Aly Song
REUTERS/Aly Song

China diz que atores precisam seguir diretrizes morais ou serão banidos

Os artistas não podem incitar o ódio e a discriminação entre grupos étnicos e promover cultos ou superstições

Reuters, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2021 | 08h00

A China publicou nesta sexta-feira uma nova lista de diretrizes morais para atores e outros artistas, dizendo que eles podem ser permanentemente banidos de suas profissões se não as cumprirem.

Artistas não devem "violar ética, moral, ordem pública social ou bons costumes, causando um sério impacto negativo à sociedade", afirmou a Associação Chinesa de Artistas, uma organização sem fins lucrativos apoiada pelo governo, em seu site.

Os artistas não podem incitar o ódio e a discriminação entre grupos étnicos e promover cultos ou superstições, afirmou a associação. As novas regras entrarão em vigor em caráter experimental a partir de 1º de março.

A associação não disse por que decidiu introduzir essa política agora, mas os consumidores chineses estão se tornando cada vez mais expressivos em suas expectativas para o comportamento de empresas e celebridades, especialmente as estrangeiras.

A marca de luxo Prada encerrou todas as cooperações com a atriz chinesa Zheng Shuang, este mês, que havia sido nomeada embaixadora da marca, depois de ela se envolver em uma controvérsia sobre barriga de aluguel que atraiu o público chinês.

Em suas novas diretrizes, a associação disse que artistas não devem organizar, participar de ou promover atividades ilegais como pornografia, apostas, drogas e violência, entre outras atividades.

Quem não cumprir as novas regras poderá voltar a trabalhar apenas depois de obter aprovação de um comitê de ética, acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
China [Ásia]cinemacensura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.