Charlize Theron vive feia prostituta em "Monster"

Para filmar a história sobre uma serial killer americana, condenada à morte pelo assassinato de seis homens, a diretora Patty Jenkins teve uma idéia que poderia até parecer bizarra. Ela queria uma muito bonita para o papel de Aillen, que na vida real era uma feia prostituta. Escolheu Charlize Theron. O resultado, você sabe: Charlize provou que tem talento e ganhou o Oscar. Monster - Desejo Assassino estréia hoje e é muito possível que uma leva de espectadores corra aos cinemas para avaliar a justeza da premiação de Charlize. Ela é boa, o filme talvez não. E Charlize, mesmo sendo boa, não é excepcional.Aileen Wournos havia sido executada há apenas três meses, após 12 anos de espera no corredor da morte, quando Patty Jenkins iniciou a rodagem de seu filme. No Festival de Berlim, quando foi premiada com o Urso de Prata, Charlize explicou que as horas de maquiagem a que tinha de ser submetida todos os dias eram desgastantes, mas fez duas confissões fundamentais para que se possa avaliar seu trabalho.Definiu-se como uma sobrevivente e lembrou que, aos 15 anos, na África do Sul, viu a própria mãe matar seu pai alcoólatra e violento. E disse que o mais difícil de tudo não foi a maquiagem nem mesmo o esforço de tentar compreender a mente de uma assassina, mas um detalhe que pode até passar despercebido. Ela teve de aprender a representar com a boca. Aileen tinha uma crispação nervosa nos lábios, falava com um jeito masculino e foi condenada por matar seis clientes no tempo em que rodava bolsinha em lugares ermos de pequenas cidades americanas ou na estrada. Também em Berlim, Patty Jenkins disse que começou a se interessar pela história justamente por isso. Ela passou a achar que Aileen, antes de ser monstro, era um ser humano que cometeu atos bárbaros.Logo de cara, Aileen é uma garota que quer ser Marilyn Monroe, mas não tem physique du rôle. Ela sofre sucessivas rejeições. Vira prostituta. Encontra, na personagem de Christina Ricci, o amor. Aileen vai fazer de tudo para conservar a garota, até matar. A prostituta feia e violenta mata seis clientes, mas a maioria deles merece. A sociedade é a culpada porque segrega, discrimina e hostiliza as Aileens deste mundo, só que bem poucas saem por aí matando. É onde entra a natureza "monstruosa" da personagem, a sua compulsão homicida. O curioso é que Patty nunca condena Aileen e até põe em xeque se ela era mesmo um monstro. Pois o verdadeiro monstro da história é a personagem de Christina Ricci, com seu comportamento no tribunal. Faz você ficar com pena de Aileen/Charlize.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.