divulgação
divulgação

Channing Tatum lembra sufocos que passou nas gravações de 'O Destino de Júpiter'

Longa dirigido pelos irmãos Warchowski é ambientado em futuro totalitário

Cindy Pearlman, The New York Times

09 de fevereiro de 2015 | 02h04

Às vezes, um herói de ação precisa agir. "Eu me lembro do meu corpo pendurado num guindaste 12 metros acima do chão", disse Channing Tatum, recordando a filmagem de O Destino de Júpiter em Chicago. "Estávamos sendo levados pelo ar por uma rua a cerca de 50 quilômetros por hora." De repente, a câmera, que estava dando um zoom sobre ele e a atriz coadjuvante Mila Kunis, deu uma guinada e veio na direção deles.

"Eu a afastei com num chute de caratê", disse o ator de 34 anos com riso encabulado, "e acho que quebrei a câmera." "Creio que isso custou cerca de US$ 100 mil ao estúdio. Não pude evitar." Normalmente, disse Tatum, ao falar por telefone para promover o filme que acaba de estrear nos Estados Unidos, sua vida é menos excitante e muito menos glamourosa. Por exemplo, ele passa a maioria das manhãs brincando com a filha de 1 ano, Everly.

"Eu troco fraldas. Troco fraldas e canto canções." É um mundo de distância de O Destino de Júpiter, uma extravagância de ficção científica escrita e dirigida por Andy e Lana Warchowski, criadores de Matrix (1999), e coestrelado por Sean Bean, Gugu Mbatha-Raw e Eddie Redmayne. O filme é ambientado num futuro totalitário no qual a Rainha do Universo decretou, por razões inicialmente desconhecidas, que uma mulher jovem aparentemente comum chamada Jupiter Jones (Kunis) deve ser morta. Caine (Tatum) é enviado para fazer o serviço.

"Sou um humano modificado por engenharia genética criado num tubo de ensaio", explicou Tatum. "Sou juntado com o que seria um lobo nesse planeta. Portanto, sou uma espécie de híbrido de lobo e humano com uma pitada de albino, o que é muito interessante. Sou talhado para encontrar Júpiter e trazê-la de volta. Mas descubro algo muito especial a seu respeito. A questão que se coloca então é se devo protegê-la e ajudá-la ou se apenas devo fazer o meu trabalho." Caine escolhe ser o protetor de Júpiter, e eles se metem numa imensa caçada que envolve algumas acrobacias elaboradas.

"É o meu papel mais físico até agora", afirmou Tatum. "Foi uma filmagem demorada, e era preciso manter o pique físico em algumas cenas de ação sensacionais. Um dia, fui arrastado por um carro a 90 quilômetros por hora, o que foi realmente assustador, mas divertido", prosseguiu. "Fui largado de um edifício. É eletrizante quando você faz da primeira vez, mas quando faz muitas vezes, precisa de estamina para continuar."

Tatum tem físico de herói de ação, mas sua carreira evoluiu como uma das mais diversificadas de Hollywood. Em 2014, ele mostrou seus golpes cômicos com Jonah Hill em Anjos da Lei 2, mas também fez seu papel dramático mais exigente no aclamado pela crítica Foxcatcher - Uma História que Chocou o Mundo, que rendeu indicações ao Oscar a dois de seus astros, Steve Carrel (Ator) e Mark Ruffalo (Ator Coadjuvante).

No filme, que se baseia numa história real, Tatum faz o lutador campeão Mark Schultz, que, com seu irmão Dave (Ruffalo), tornam-se os primeiros irmãos a ganhar medalhas de ouro olímpicas em luta livre. À deriva depois de seu triunfo, Schultz é recrutado para se juntar à Equipe Foxcatcher e treinar para a Olimpíada de 1988 em Seul, sob a orientação do multimilionário excêntrico John du Pont (Carrel), que está patrocinando a equipe. Mark muda-se para a propriedade de Du Pont, onde mais tarde seu irmão junta-se a ele.

As coisas não são o que parecem, porém. O comportamento errático de Du Pont e seu pendor para jogos psicológicos começam a agir sobre a frágil autoestima de Mark, e os acontecimentos se precipitam num final trágico. Era a primeira vez que Tatum interpretava uma pessoa real que ainda estava viva, e ele aproveitou a chance.

"Nesse filme, tive a possibilidade única de conhecer de fato meu personagem", disse o ator. "Passei um bom tempo com ele e com pessoas que o conheciam intimamente." Seu desempenho como Mark Schultz é, entre outras coisas, um trabalho impressionante de atuação física.

::: Cultura Estadão nas redes sociais :::
:: Facebook ::
:: Twitter ::

"Quanto à parte emocional de Mark, eu a descrevo como quando você tem um entusiasmo e se sente realmente despreparado. Ele está constantemente nesta negociação excruciante com o mundo. Descobri que sua linguagem era o movimento. Eu estudei como ele segurava o garfo. Não o segurava como uma pessoa refinada. Ele o agarrava como uma pá e jogava comida na boca. Era animalesco."

Tatum cresceu no Alabama. A mãe trabalhava numa companhia aérea e o pai, na construção civil. Quando jovem, era fissurado por esportes - atletismo, beisebol e futebol apenas abrem a lista, mas infelizmente para Foxcatcher, ele nunca lutou.

"Joguei futebol americano por 10 anos e beisebol, e combinava com artes marciais", recordou. "Eu gostava de fazer parte de uma equipe e de competir. Dava o máximo quando havia alguém me pressionando. Meu pai era duro comigo, o que foi bom para mim. Não acredito que todos precisem disso, mas eu precisava."

Quando jovem adulto, porém, a determinação de Tatum foi de pouca utilidade porque ele não tinha noção de seu caminho. Largou a universidade e trabalhou como operário de construção, corretor hipotecário e vendedor. Nesse meio tempo, completou sua renda posando como modelo e fazendo comerciais de TV para American Eagle, Mountain Dew e Pepsi.

"Atuar simplesmente pareceu o passo seguinte natural." Fez sua estreia no cinema em Coach Carter - Treino para a Vida (2005), que o levou a Santos e Demônios (2006), Ela é o Cara (2006), Ela Dança, Eu Danço (2006), onde conheceu sua mulher, a atriz Jenna Dewan, além de G. I. Joe - a Origem de Cobra (2009), Querido John (2010), Para Sempre (2012), Anjos da Lei 2 (2012) e O Ataque (2013).

O próximo a sair é Magic Mike XXI, em que ele reprisa seu papel como stripper profissional. "Esta é a versão Super Bowl do primeiro. Eu danço cinco vezes mais e minha mulher mesmo assim aprovou." Depois disso, estrelará The Hateful Eight, de Quentin Tarantino, ambientado no Wyoming pós-Guerra Civil e focado num grupo de caçadores de recompensa que procura abrigo durante uma nevasca. Os outros astros incluem Bruce Dern, Walton Goggins, Samuel L. Jackson, Jennifer Jason Leigh, Tim Roth e Kurt Russell.

Seus dois próximos filmes são tão distintos como seus três anteriores, mas, para Tatum, isso é irrelevante. Ademais, ele agora quer tempo para Dewan e a filha do casal. "A paternidade muda tudo. Não é só a sua vida que conta. Você se preocupa, pensa nisso toda vez que entra naquele avião. Mesmo quando estou afastado por 12 horas, volto para casa e juro que o rostinho dela mudou desde que a deixei de manhã. Honestamente, mal posso esperar para ela despertar toda manhã para podermos brincar", concluiu. "Sou o maior meninão de todos." / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

 

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaChanning TatumMila Kunis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.